Domingo, 18 de Agosto de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 27Cº / Min 18°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Um idioma que não perdeu suas raízes

Os traços germânicos estão por todos os lados, em Pomerode, desde as construções, modos de vida, gastronomia e, é claro, o uso da língua alemã. Mas, você sabia que na cidade, um dialeto era muito falado, principalmente antes da Segunda Guerra Mundial? Estamos falando do Platt Deutsch

0483272a16e7a982c980aba6ba48c989.jpg Foto: Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode

Os traços germânicos estão por todos os lados, em Pomerode, desde as construções, modos de vida, gastronomia e, é claro, o uso da língua alemã. Mas, você sabia que na cidade, um dialeto era muito falado, principalmente antes da Segunda Guerra Mundial? Estamos falando do Platt, um dialeto alemão de origem na Pomerânia, região que hoje se localizam a Alemanha e Polônia.

No século XIX, milhares de Pomeranos imigraram, sobretudo, para os Estados Unidos e ao Brasil, onde vivem centenas de descentes de pomeranos. Com a derrota alemã na Segunda Guerra Mundial, a maior parte da Pomerânia foi anexada pela Polônia, e a maioria dos alemães que viviam na região foram expulsos e refugiaram-se em outras regiões da Alemanha. Como consequência, a língua Pomerana praticamente desapareceu na Europa, e o Brasil é o único país no mundo onde ainda se falara regularmente o Platt.

E, em 2017, uma lei municipal de autoria dos vereadores Marcos Dallmann, Aldino Oldenburg, Cleide Kamchen e Deoclides Correa, foi aprovada por unanimidade. O projeto de lei co-oficializou a língua pomerana, ou o Platt, à língua portuguesa, no município, com o objetivo de fortalecer, ainda mais, o uso do dialeto em Pomerode, afim de manter a cultura e preservar esta tradição.

E, alguns pomerodenses ainda se comunicam através do Platt, em suas residências. Com isso, fomos até a casa de Roland Ehlert, de 85 anos, para conhecer um pouco mais do uso da língua Pomerana, na cidade. 

Ehlert foi a sexta criança registrada no tabelião, hoje em dia conhecido como o Cartório, em Pomerode. Desde a infância, usou o Platt como o “idioma oficial” dentro de casa, até que, na década de 40, com a implantação da Campanha de Nacionalização de Getúlio Vargas, ficou proibido o uso dos idiomas estrangeiros no país e eventuais prisões eram efetuadas para aqueles que não sabiam e não dominavam o portugûes.

Com isso, o uso da língua Pomerana foi diminuindo, porém, dentro das casas, o idioma ainda era falado, e, a partir daí, escolas estaduais começaram a adotar o ensino do português, já que, em Pomerode, só ensinava-se o alemão. Ehlert conta que seu pai apenas se comunicava em Platt e também em alemão e não sabia falar português.

Com o passar do tempo, a língua acabou se perdendo entre as gerações, mas, algumas famílias mais tradicionais, sempre procuraram falar o idioma pomerano entre os familiares. Agora, com o aniversário de dois anos da lei que co-oficializou o idioma na cidade, a vergonha que se tinha para falar o Platt, já desapareceu.

“Me sinto feliz que existam, ainda, pessoas em Pomerode que se esforçam para manter esse idioma tão importante para o município. E, mesmo aqueles que não falam o Platt, trabalham em prol da manutenção da cultura. Nós falamos essa língua e agora temos uma lei. Agradecemos aos vereadores pela atuação e votação, ao professor João e demais pessoas que fazem parte deste projeto. Também, agradeço ao Jornal de Pomerode pela presença e pela reportagem sobre o nosso assunto. E, é claro, ovacionamos a todos os pomerodenses que ainda cultivam e falam a língua alemã”, ressaltou Ehlert.

Segundo o vereador Marcos Dallmann, um dos vereadores que propôs a lei municipal, o Platt possui uma importância histórica significativa para Pomerode.

“A ideia veio quando fui para a Europa e pude ver as características daquela região da Alemanha e da Polônia, que lembravam muito Pomerode. E, sabendo que há este idioma ainda preservado pela cidade, tínhamos que valorizá-lo. Foi aí, então, que criamos este projeto de lei para que essa cultura não sofresse uma extinção, podendo passar para outras gerações, sem perder a essência da tradição de nossa cidade”, relata o vereador.

O professor e historiador, João Altair, também ressalta a importância de se manter o dialeto entre as famílias.

“Temos uma equipe muito grande de pessoas que se empenham para que a língua Pomerana possa se manter viva, em Pomerode. São realizados encontros para que as pessoas possam se integrar através do idioma, ou seja, são feitas rodas de conversa para que o idioma possa ser falado, e essas ações, como esta celebração realizada na Câmara de Vereadores, que comemora os dois anos de criação desta lei importantíssima, são de extrema valia para a manutenção da língua”, ressalta.

 A Celebração

Nesta quinta-feira, 30 de maio, como estava na citação anterior, uma cerimônia em comemoração aos dois anos da aprovação da Lei nº 2.907 de 2017, foi realizada. A cerimônia teve início às 19h e ocorreu na Câmara de Vereadores de Pomerode.

Durante o ato, uma apresentação teatral em Platt Deutsch, a Língua Pomerana, para celebrar a difusão do idioma no município, foi apresentadas aos presentes. Também nesta semana, será divulgada uma matéria especial, em vídeo, com mais informações sobre o cultivo do dialeto na cidade. Não perca!

 



Galeria de fotos: 4 fotos
Créditos: Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode
Veja também: