Quinta-Feira, 19 de Setembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 24Cº / Min 17°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Trocando culturas, no Brasil

Intercambistas passarão tempo em Pomerode para aprenderem um pouco mais do idioma e conhecerem novas culturas

c163cfcf2dbccbcee39c495293247c74.jpg Foto: Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode

Poder trocar experiências em um outro país, para agregar conhecimento e conhecer um pouco mais da cultura de uma outra nação, difunde um melhor entendimento sobre o nosso planeta. E, dois estudantes vieram de países diferentes e escolheram o Brasil, mais precisamente Pomerode, para aprenderem a língua portuguesa e saber como é a cultura em solo brasileiro.

Matias Huenante, chileno, de 16 anos e Emil Caron, belga, 17 anos, estão na Cidade Mais Alemã do Brasil, realizando um intercâmbio, promovido pela AFS Comitê Vale Europeu. Huenante ficará no país cerca de um ano e Caron passará menos tempo em solo brasileiro e pretende ficar em torno de três a quatro meses. O chileno está estudando no Doutor Blumenau, enquanto o belga estuda no José Bonifácio.

Um dos fatores que mais chamou a atenção dos dois intercambistas é a variedade de culturas espalhadas por todo território brasileiro. Eles contam que a visão sobre o país mudou quando pisaram pela primeira vez em solo catarinense.

“Nós imaginávamos que no Brasil tinha muito samba, carnaval, festas e futebol. Porém, a diversidade de culturas é uma coisa que nunca imaginávamos que o país teria, pois lá fora, se fala muito dessa imagem, um estereótipo. Mas, mudamos nosso pensamento e adoramos o Brasil”, comentam.

Para Caron, uma das diferenças principais é em relação ao ensino praticado na Bélgica, já que, as aulas possuem oito horas de duração, enquanto no Brasil, está fazendo as quatro horas de grade curricular estadual.  Outra coisa que também impressionou o jovem foi a similaridade de Pomerode com a Alemanha.

“Há uma diferença muito grande quanto às escolas. Lá, eles são mais rígidos em relação ao comportamento, aos estudos e tudo mais, acaba-se tendo pouca liberdade. Aqui, você consegue trocar experiências com as outras pessoas e de uma certa forma, acaba trocando ideias e conhecimentos com os colegas”, relata.
Já Huenante, que também é atleta no atletismo, está aproveitando a melhor estrutura que o esporte tem em relação ao Chile, já que, a modalidade é uma de suas paixões.

“Eu sou focado no esporte, principalmente no atletismo. Aqui você tem muito mais estrutura e profissionais que ajudam mais do que no Chile, onde a modalidade ainda não é olhada com muita atenção pelos órgãos privados e públicos”, afirma.

Além disso, uma das dificuldades encontradas, relatadas pelos dois, é o idioma. Eles consideram a língua portuguesa difícil, porém, acham fundamental ter o conhecimento do idioma.

“Aprender o idioma é fundamental. Por enquanto, estamos aprendendo mais quando conversamos com os amigos e essa prática irá nos ajudar nas aulas de português. É muito chato quando você não consegue se comunicar com uma pessoa, mesmo com as tecnologias avançadas de tradutores e tudo mais. Cremos que ter um pouco do domínio da língua, nos agregará muito, futuramente”, finalizam.

 

Quer receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.

 



Veja também: