Domingo, 22 de Setembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 19Cº / Min 11°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Tradição que se repete ano a ano

Católicos celebram o Corpus Christi e pomerodense relata experiência de participar da confecção de tapetes

d45afd9b0562621b14c62aa07c78322a.jpg Foto: Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode

Para uns, um dia de descanso, para outros, de celebrar a fé. Nesta semana, mais precisamente dia 21 de junho, quinta-feira, a tradição do Corpus Christi pôde ser vista na Paróquia São Ludgero, através dos tapetes que formam imagens de figuras da religião católica, palavras de agradecimento e outros. 

E, para confeccionar um tapete desses, é necessário capricho e cuidado na hora de formar o desenho, afinal, os mesmos são feitos bem no início da manhã, antes da procissão característica da data. Dependendo do tamanho e a figura a ser formada no tapete, leva em média de 40 minutos a uma hora e meia de confecção.

E, desde 2007, uma moradora de Pomerode marca presença em toda celebração de Corpus Christi, na Paróquia, tradição de sua família, que sempre ajudou na confecção dos tapetes que homenageiam a data. Janicler da Silva, 43 anos, sempre frequentou a Igreja Católica, desde a infância.

Antes de morar em Pomerode, a massoterapeuta já frequentava as celebrações em outras igrejas da região, sempre com sua família. Hoje, em Pomerode, todos os anos, Janicler marca presença na celebração e vai com seus filhos e marido para o dia de Corpus Christi.

“É um momento de muita união. Todo mundo se ajuda, não apenas de nossa família, mas quem é dos grupos responsáveis pelas confecções, já que há uma divisão para que os vários tapetes possam ser montados durante esse período de uma hora e meia, no máximo, antes da procissão. Isso que é o mais legal, ver todo mundo junto com um só propósito, celebrar a fé e homenagear Jesus Cristo”, explica.

 

Todo mundo se ajuda, não apenas de nossa família, mas quem é dos grupos responsáveis pelas confecções, já que há uma divisão para que os vários tapetes possam ser montados durante esse período de uma hora e meia, no máximo, antes da procissão.

 

O processo para a confecção do tapete já começa sempre uma semana antes, no tingimento das serragens de madeira, o material principal usado para dar cor no tapete. Um grupo se reúne para fazer a mistura da tinta de tecido junto com a serragem, em uma betoneira, que irá dar a cor para que a mesma possa ser usada na data de Corpus Christi. 

 

Janicler mostra serragem que é utilizada para confeccionar os tapetes. (Foto: Raphael Carrasco)

 

Para este ano, cerca de 45 sacos foram separados para a confecção dos tapetes, totalizando quase 900kg de serragem, que é distribuído nos grupos que são divididos entre o Grupo Lareira, Catequese, Crisma, Nossa Senhora do Rosário, Santo Antônio, Santa Terezinha e São José Operário.

Após tudo pronto, todos foram para a missa, realizada às 8h, seguida da procissão, na qual apenas o padre anda por cima dos tapetes, sendo uma representação de que Jesus anda por ali e é recebido pelos belos tapetes, que se estendem da parte da frente da igreja até o portão que fica do outro lado da rua, em frente à Prefeitura Municipal.

O trajeto da procissão iniciou-se na igreja, seguiu até a Rua XV de Novembro, passando pela rua Arno Weege e retornando pela Avenida 21 de Janeiro.  
Mas, sempre no final da cerimônia religiosa, chega a hora de se desfazer do tapete, um dos momentos que, segundo Janicler, é emocionante.

“É de cortar o coração! Infelizmente, não tem como levar para casa, pois é feito um desenho em papel pardo, para que a serragem venha em cima dando forma a imagem que está desenhada no papel. Por ser uma espécie de pó, é muito difícil de levarmos para casa, pois ele se desintegra muito fácil, principalmente, com vento muito forte ou chuva. Mas não tem problema, afinal,  no próximo ano, sempre estamos de volta para fazer mais um tapete e, o mais importante de tudo, celebrar essa data tão especial, em nome de Jesus”, relata.

Segundo o Padre da Paróquia São Ludgero, Lauro Nunes, a celebração é muito valorizada em Pomerode.

“Em muitos lugares, o Corpus Christi acabou virando apenas um feriado, perdendo um pouco da tradição. Mas, em Pomerode, as pessoas se animam com a data e marcam presença, com força na celebração que é realizada na Paróquia. Isso é muito importante, pois é nítido que a tradição é muito valorizada e esperamos que continue sendo assim, por muitos anos, na cidade”, comenta. 

 

Mas, em Pomerode, as pessoas se animam com a data e marcam presença, com força na celebração que é realizada na Paróquia.

 

A tradição de Corpus Christi

Corpus Christi significa Corpo de Cristo. É uma festa religiosa da Igreja Católica que tem por objetivo celebrar o mistério da eucaristia, o sacramento do corpo e do sangue de Jesus Cristo.

A festa de Corpus Christi acontece sempre 60 dias depois do Domingo de Páscoa ou na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, em alusão à quinta-feira santa quando Jesus instituiu o sacramento da eucaristia.

O Corpus Christi não é feriado nacional, tendo sido classificado pelo governo federal como ponto facultativo. Isso significa que a entidade patronal é que define se os funcionários trabalham ou não nesse dia, não sendo obrigados a dar-lhes folga.

A festa do Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV, no dia 8 de Setembro de 1264.

A procissão de Corpus Christi lembra a caminhada do povo de Deus, peregrino, em busca da Terra Prometida. O Antigo Testamento diz que o povo peregrino foi alimentado com maná, no deserto. Com a instituição da eucaristia, o povo é alimentado com o próprio corpo de Cristo.   

 



Galeria de fotos: 33 fotos
Créditos: Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode
Veja também: