Sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 34Cº / Min 21°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Pomerodense faz campanha para aquisição de prótese para a perna

Após ter a perna amputada, em virtude de complicações por diabetes, família não tem condições de comprar uma prótese

b1cc3aed458d6b639e20a0f9533c67d9.jpg Foto: Raphael Carrasco/JP

Uma doença que requer muita atenção e cuidados ao ser diagnosticada em um ser humano. O diabetes, no começo, parece ser inofensiva, mas, com o tempo, ela pode mudar a vida de uma pessoa por completo. Foi o que aconteceu com Dietlind Reinke, 59, moradora da Rua Rega II, em Testo Rega. Ela descobriu a doença quando tinha 35 anos, o Diabetes tipo 1, que necessita da aplicação de insulina, diariamente.

Mas, com tempo passando e um pouco de falta de cuidado, que a própria pomerodense fala, complicações começaram a aparecer gradativamente, principalmente, em seus membros inferiores. Os primeiros sinais de agravamento da situação começaram a aparecer quando feridas em seu pé, em virtude do diabetes, começaram a surgir. Ela teve que fazer uma cirurgia, já que estava com dificuldades para se locomover, pois sentia dores ao andar e formigamentos constantes.

Mas, na metade deste ano, veio uma notícia que mudaria totalmente a sua rotina. Devido às complicações, os médicos informaram à pomerodense de que sua perna esquerda teria que ser amputada, para evitar maiores transtornos. O fato abalou toda a família, que foi pega de surpresa com a informação.

“Eu não esperava que isso, um dia, pudesse acontecer. De um dia para outro, minha vida mudou totalmente. Hoje, dependo da ajuda de meu marido e de toda a minha família. Mas é complicado, pois nossa casa não é adaptada e tudo fica um pouco difícil”, relata.

Hoje, Dietlind mora com o marido Evaldo Reinke, aposentado, que passa o dia inteiro cuidando da esposa e ajuda, como pode, nas tarefas e necessidades da pomerodense. Agora, Dietlind está atrás de uma prótese para colocar em sua perna amputada, para que possa voltar a andar, fazendo com que sua rotina volte ao normal. A família não tem condições de adquirir essa prótese, que, no mercado, tem o valor de aproximadamente R$10 mil. Com isso, a família está disponibilizando uma conta bancária para o depósito de doações.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/29f51f06e48d9e702fd26857397d83d9.jpg

 

 A doença

Diabetes é uma doença crônica, onde a quantidade de glicose no sangue é muito elevada, porque o pâncreas não produz qualquer insulina ou não produz insulina suficiente, para ajudar a glicose a entrar nas células do corpo - ou a insulina que é produzida não funciona adequadamente (conhecido como resistência à insulina). A doença possui dois tipos: o Diabetes tipo 1 e Diabetes tipo 2. Cada uma possui características diferentes e o tratamento também é feito de acordo com o tipo diagnosticado. 

Segundo o especialista em cirurgias vasculares, Dr. Gilberto Lopes Gonçalves, todos os cuidados são necessários para que a doença não evolua de maneira rápida e dá dicas para amenizar os efeitos do Diabetes.

“O principal cuidado que nós devemos ter ao descobrirmos o Diabetes é a conscientização de que precisamos mudar nossos hábitos de vida, principalmente, alimentares. Muitos se negam a acreditar no diagnóstico, por vezes, dizem que os médicos devem estar equivocados, que os exames estavam errados, e não iniciam nenhuma forma de tratamento. Outros ainda negam e o tratamento proposto, mas ficam um pouco preocupados e buscam tratamentos alternativos que prometem curas milagrosas. 

Mas a verdade por trás de um diagnóstico recente de Diabetes é que precisamos olhar para a nossa vida futura, pois não é só cuidar dos níveis de Glicose no sangue, se está alto ou baixo. O Diabetes sem tratamento e sem acompanhamento adequado leva a complicações tardias, como complicações renais, insuficiência renal e necessidade de realizar hemodiálises; complicações oculares, como catarata, problemas de retina e até cegueira; complicações  circulatórias, afetando a circulação nos membros e a circulação cerebral;  complicações cardiológicas, com comprometimento das coronárias; e complicações neurológicas,  com perda da sensibilidade dos pés”, complementa o especialista. 

Conta para o depósito de doações 

Nome: EVALDO REINKE
Banco: VIACREDI
Agência: 8021.385.5

Quer ser o primeiro a receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.



 



Veja também: