Domingo, 25 de Agosto de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 22Cº / Min 12°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

O mundo encantado dos alunos “especiais”

Alunos da EBM Olavo Bilac desenvolvem projeto voltado ao conhecimento do mundo das pessoas com algum tipo de deficiência e visitam a Apae de Pomerode

c2f41cfb7109e2e7af8ebe41b41b3213.jpg Foto: Divulgação / Olavo Bilac

A Feira Municipal de Matemática da cidade de Pomerode incentiva o aluno a conhecer, a pensar, a interpretar e a resolver com propriedade assuntos que merecem destaque.

Este ano, a professora Elana Pagel, Língua Portuguesa, está desenvolvendo projetos didáticos com os alunos da EBM “Olavo Bilac”. Dentre os trabalhos encaminhados, destaca-se o projeto realizado com os alunos do 9º B: Conhecer o mundo encantado dos alunos com necessidades especiais. O objetivo maior é promover a inclusão por meio de atividades lúdicas.

Além de muita pesquisa, inclusive pesquisa de campo, a turma se encantou com o estudo feito a partir das deficiências de alunos que frequentam a escola regular. Foram confeccionados vídeos e jogos educativos sobre assuntos de algumas áreas do conhecimento para estimular a aprendizagem e a amizade.

 

 

E para concluí-lo de forma surpreendente, os alunos do 9º B conheceram a Apae (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais) de Pomerode no dia 13 de junho, data que ficará guardada eternamente na memória dos adolescentes. “O Projeto, que representa as condições dos alunos especiais da nossa escola, iniciou-se no mês de fevereiro. Na verdade, eu tinha receio do tema pela falta de conhecimento e experiência. No entanto, foi muito prazeroso desenvolvê-lo. Com a pesquisa feita, ainda restavam algumas dúvidas e a curiosidade de como seria o contato com pessoas especiais. Visando esclarecê-las, a turma foi à Apae de Pomerode. O sentimento de conforto e acolhimento dominava o local e, com certeza, se intensificou quando os alunos, das mais variadas idades, reuniram-se, formando um semicírculo. No início das apresentações preparadas por nós, pude observar a alegria e a animação que a plateia esbanjava. No momento das perguntas, os professores chegaram a se emocionar enquanto contavam o quanto apreciam a Educação Especial. A real interação com eles, porém, foi no momento da partilha do lanche e na socialização dos jogos. Senti orgulho deles, pois, apesar das limitações, se esforçaram para tentar cumprir o que o jogo estabelecia. E quando conseguiam, comemoravam como se fosse a maior conquista. Meus novos amigos são exemplos de superação e perseverança. E nós? Muitas vezes ficamos insatisfeitos por coisas tão insignificantes. Sou grata a eles, pois me mostraram que a felicidade é possível mesmo com dificuldades”, frisou Sofia Sousa Lindner, 9º B.

 

 

Durante a semana que antecedia a visita, foi organizada uma campanha de doação de material de limpeza. As turmas do 9º A e 9º C doaram produtos com muita alegria, pois sabem o quão importante é manter uma instituição que faz um excelente trabalho com quem realmente necessita. Já os alunos do 9º B apresentaram uma música e duas histórias da literatura infantil. Além disso, tiveram de levar um lanche a mais para compartilhar com os amigos da Apae. “Durante a viagem de ônibus, encontrava-me curiosa e nervosa, no que se referia à cautela com termos e ações. Surpreendi-me de imediato. Não imaginava que a construção tinha dimensões tão extensas e tamanha abrangência no atendimento. Conhecer as pessoas com necessidades especiais foi simplesmente mágico (e uma porta aberta às reflexões). Fiquei muito orgulhosa e feliz pela campanha de material de limpeza, além da contação de histórias e apresentação de uma música. Quando fizemos as perguntas, percebi a paixão dos professores e auxiliares pelas tarefas que desempenham. Muito bonito observar quem se dedica tanto e tem tanta empatia! Foi legal estimular a amizade e a interação, conversar e nos adaptar uns aos outros. Eu senti realmente o quanto a simplicidade é complexa, o quanto repartir um biscoito ao meio e dividi-lo pode acrescentar em uma relação. Porque todos têm algo a nos ensinar, seja nas suas habilidades ou limitações. E todos têm uma história. Um aspecto interessante a ser mencionado é que os alunos têm idades, necessidades e graus de aprendizagem diferentes. Isso fez com que configurássemos os jogos educativos. E nós nos adaptamos. Isso a sociedade também deve fazer. O tempo desse encontro ressaltou o quanto cada um é único e especial. A convivência, a paciência e o amor são fundamentais na vida do ser humano. No final da visita, restaram lições que aprendi e um aperto no peito”, destacou emocionada a aluna Cristina Siewert Jansen, 9º B.

 

 

Os sinceros agradecimentos aos alunos, à diretora Riacarla Wachholz Rauh, à orientadora Daniela Scolari Fausto Heineberg, aos professores e aos demais funcionários pela recepção, pela tarde maravilhosa, pela aprendizagem, pelo carinho especial. “Foi incrível presenciar a alegria dos alunos da Apae com uma pequena ação: a nossa visita. Entretê-los com apresentações, jogos educativos e partilha de lanches. Observei atentamente o olhar de cada profissional presente, um olhar que transmite paixão pelo trabalho. A felicidade é isto: pequenos gestos, a certeza da parceria, do carinho e do tempo disponível para o próximo. Com certeza meus colegas e eu saímos de lá com outra visão da vida”, finalizou Rhayane Westphal, 9º B.

Os alunos da EBM “Olavo Bilac” convidam você, caro leitor, a fazer parte do projeto. Ajude, quando puder, as pessoas da Família Apae!



Veja também: