Sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 33Cº / Min 21°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

“No local onde estou, eu visto a camisa”

Professora de educação física e ginástica há mais de 20 anos, Marineuza Henschel, 57 , hoje se dedica ao voluntariado

021a7f4897823cdf3c13c8b46ca4a873.jpg Foto: Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode

Professora de educação física e ginástica há mais de 20 anos, Marineuza Henschel, de 57 anos, hoje se dedica ao voluntariado, na Rede Feminina de Combate ao Câncer, sendo a atual presidente da entidade.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/29f51f06e48d9e702fd26857397d83d9.jpg

 

 

Como começou a sua relação com o voluntariado?

Desde pequena, eu gosto de ajudar e participar de ações comunitárias. Acompanhava a minha mãe, que trabalhava nas festas da igreja, e também junto com meus colegas limpava a escola, nos finais de semana. Com o incentivo da minha família, sempre procurava me envolver em eventos promovidos pela escola, Igreja e comunidade. Gosto do trabalho em equipe. Nos diferentes grupos em que estive envolvida, ao longo da minha vida, sempre gostei da sensação e do valor dos grupos trabalhando em prol de uma causa. 

 

Quando e como iniciou a sua relação com a Rede Feminina?

Tinha contato com voluntárias da Rede Feminina que participavam da minha turma de ginástica e sempre ajudava na venda de rifas e camisetas, pois a causa me sensibilizava. E, fui voluntária na rede por um tempo, me afastando por 10 anos devido ao trabalho, pois não conseguia me dedicar como eu queria e achava que era necessário. E, no meu movimento interno para a aposentadoria, vi que poderia voltar para a Rede Feminina e, há cinco anos, aqui estou como voluntária. Gosto de me envolver integralmente no que estou fazendo e assim buscando atingir plenamente os objetivos previstos em nosso Estatuto. Não gosto de fazer nada por fazer. E, na rede feminina somos um grupo de voluntárias maravilhosas que se ajudam muito em todos os setores de trabalho. 

 

Tem alguma experiência, em seus anos de voluntariado, que foi marcante em sua vida?

Sim, todas as histórias do dia a dia me marcam profundamente, pois cada uma me sensibiliza de alguma forma para ser uma pessoa melhor! E, a gratidão à comunidade de Pomerode! 

 

Uma cor
Rosa.

 

Um livro
Meditando com Brian Weiss.

 

Uma frase
“Cada dia um novo amanhecer. Gratidão!”

 

Um sonho
Ver a nossa sede terminada e conseguirmos doar os exames para diagnóstico do câncer de mama e de colo de útero.

 

Um dia especial
O dia do nascimento do meu filho, Fernando Henschel.

 

Um time
Vasco.

 

Um filme
A Escolha Perfeita.

 

Ser voluntário é:
É gratidão. Agradeço todos os dias por poder usar os dons que recebi para fazer o bem a mim e as outras pessoas.



Veja também: