Sábado, 07 de Dezembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 31Cº / Min 20°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Lembranças boas e memórias que ficarão eternizadas

Filha de Maluzinho, Franciele, fala sobre a importância de seu pai em sua vida. Vereador nos deixou na última sexta, dia 21 de junho.

ac87bfb08be4075ad69f9d5a5fe9e84b.jpg Foto: Arquivo Pessoal

Um homem que sempre se dedicou às questões agrícolas e que buscava espaço para os pequenos agricultores, no meio da política. Simples e com um sotaque forte da roça, Ademar Marquardt, 55,  esteve no meio agrícola desde a infância, quando ajudava seu pai, em sua antiga casa. Gostava de pescar nas horas vagas, em sua lagoa ou em alto mar. Pai de Fernanda Priscila, 30, e Franciele Laís Marquardt, 24, esposo de Isabel Meurer e avô do pequeno Arthur, nascido em 2018,  o vereador nos deixou na última sexta-feira, dia 21 de junho, quando sofreu uma parada cardíaca enquanto trabalhava em casa. Conheça um pouco da história de Maluzinho, um nome forte, principalmente, para a comunidade de Ribeirão Souto.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/906dd0914713bf0c60baa626ec8a4857.jpg

 

 Aos 14 anos, entrou na Karsten, para trabalhar no setor de tecelagem da empresa blumenaunse.  Atuou por 25 anos no ramo têxtil, assumiu cargos de destaque na empresa e chegou a morar no Rio de Janeiro para fazer um curso técnico na área, tendo que morar em uma das comunidades cariocas.

Mas, mesmo com a vida na indústria, Marquardt nunca deixou de gostar da agricultura, mas, tinha outra paixão que também se destacou: o futebol. Ele chegou a atuar no Vera Cruz e no Caramuru, em Pomerode e no time da Karsten, de Blumenau. Foi no esporte que veio o apelido que ficaria para sempre em sua vida. Maluzinho veio em função de seu irmão, Malu, que também jogava bola pelos clubes de Pomerode.

Porém, o esporte sempre esteve na vida dele, muito além do futebol. Resolveu misturar a vida no campo com competições e criou a 1ª Cancha de Rodeios Crioulos e Cavalgadas, na sua própria residência, no Ribeirão Souto, que até ficou conhecida, após uma série de outros eventos, como o “Parque de Eventos Maluzinho”. Fundou o grupo Tropeiros do Testo, na década de 1990 e continuou investindo no local, realizando outras competições, como por exemplo, o Gaiola Cross e o primeiro rodeio da região, o Skol Country, que foi um sucesso de público, lotando as mediações de sua residência. Também promoveu, juntamente com seu amigo, Ricardo Campestrini, a ExpoAgro Indústria, nos fundos do Parque Municipal de Eventos. Além disso, Maluzinho foi o primeiro pomerodense a representar a cidade no Festival de Rodeio de Barretos, um dos mais famosos do Brasil.

Na vida pública, Marquardt começou como Fiscal de Obras e logo após passou a coordenar a Sociedade de Defesa Civil de Pomerode (Sodeci) e chegou a ajudar nas grandes catástrofes de 2008 e 2011, que deixou Pomerode em estado de Calamidade Pública. Por ter prazer em ajudar as pessoas, principalmente os pequenos agricultores, Maluzinho partiu de vez para a política, e teve seu primeiro mandato como vereador, lembrança que sua filha, Franciele Laís Marquardt, guarda com muito carinho, no dia que recebeu a notícia confirmando sua legislatura.

 

Ele não acreditava, num primeiro momento, pois ele não esperava. Porém, quando ele realmente percebeu que tinha sido eleito, ele começou a chorar dentro do carro, me abraçou, disse que me amava muito. Respondi que me orgulhava muito dele e que estava muito feliz pela sua vitória, foi um momento muito especial

 

Ainda falando das memórias, Franciele também fala de sua formatura, como Engenheira Ambiental, área que seu pai sempre gostou e tinha desejo de fazer. No dia da colação, a emoção foi em um só coração.

“Eu abracei ele tão forte, que nossos corações batiam no mesmo ritmo, era uma coisa surreal aquele sentimento naquele momento. Parecia que nossos corações se juntaram e se transformaram em apenas um só. E, ele olhou nos meus olhos e me disse que se orgulhava muito de mim, sendo muito especial”, relata a filha.


Franciele e seu pai, comemorando a formatura

Agora, Franciele e Fernanda estão seguindo os passos de seu pai, cuidando dos animais que Maluzinho criava em sua casa.

“Vou continuar e seguir o legado que ele deixou para toda a família. Agora, vou cuidar dos animais que ele tratava, cuidar do terreno que ele manteve como muito esforço e trabalho e mais do que isso, poder sempre lembrar do meu pai e de suas memórias boas enquanto eu estiver aqui, em sua casa, para manter tudo que conquistou com muito esforço e trabalho”, completa.

Franciele também reitera que grandes ensinamentos fizeram parte de sua vida junto ao pai.

“Posso dizer que meu pai está presente em todas as coisas. Olho para o rio, para o céu, para as flores, para os animais e o vejo, o sinto. Meu pai me ensinou que garra e honestidade devem ser parte de nosso dia a dia e, neste sentido, farei, como sempre fiz, o meu melhor para que ele siga tendo orgulho de mim, como sempre senti dele. Desde pequena aprendi a dar importância ao que realmente importa. Meu pai conquistou muito na vida, resultado do trabalho, empenho e dedicação dia após dia, sem nunca desistir dos seus sonhos. Meu pai sempre foi minha base forte e seguirá sendo, pois tenho certeza que ele continua a me guiar”, finaliza.

 


             Maluzinho e as duas filhas, Franciele e Fernanda 



Veja também: