Sexta-Feira, 15 de Novembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 28Cº / Min 15°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

JP Saúde: Úlcera nas pernas

Existem várias causas de úlceras / feridas em membros inferiores como diabetes, doenças arteriais, doenças reumáticas e, a maioria delas, devido à insuficiência venosa crônica

f98eaa006316993ffb132535fbab6d55.jpg Foto: Divulgação

Existem várias causas de úlceras / feridas em membros inferiores como diabetes, doenças arteriais, doenças reumáticas e, a maioria delas, devido à insuficiência venosa crônica. Isso é, devido ao mau funcionamento crônico das veias, elas já não conduzem adequadamente o sangue das pernas para o coração. O sangue acumula e dilata-as.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/29f51f06e48d9e702fd26857397d83d9.jpg

 

Esta situação, conhecida como estase venosa, eleva a pressão de sangue dentro das veias e danifica vasos sanguíneos de menor diâmetro, os chamados capilares (microscópicos). São eles que fornecem às células oxigênio e nutrientes e retiram dos tecidos os produtos de degradação metabólica. De início, a pele das áreas afetadas torna-se sensível, perde elasticidade e endurece. Eventualmente a pele morre e até a lesão mais leve e quase indetectável se transforma em chaga aberta e úmida.

A ferida / úlcera por estase venosa, normalmente não causa dor, porém é uma porta de entrada para micro-organismos (bactérias e fungos) e originar cheiros desagradáveis e secreção. Em muitos casos as pessoas afetadas têm receio em sair de casa e evitam o contato com outras pessoas. Raramente movimentam a perna afetada. Esta falta de mobilidade, por sua vez, desliga o mecanismo de bomba que transporta o sangue de retorno em direção ao coração e inicia-se assim um ciclo vicioso.

 

Prognóstico 

Algumas pessoas sofrem de úlcera venosa da perna durante muitos anos, mas as perspectivas de cura também são boas para estes pacientes: a maioria dessas úlceras de estase venosa podem ser curadas usando todos os procedimentos de tratamento disponíveis hoje em dia, mas depende muito também do próprio paciente entender sua doença e as condições que a causaram.

 

Condições prévias para a terapia da ferida

O tratamento eficiente das feridas crônicas baseia-se em dois princípios fundamentais: desbridamento da lesão (limpeza mecânica ou com curativos prescritos e realizados pela equipe médica) e tratamento da doença da base em si, que são as varizes ou uma síndrome pós trombótica. 

O tratamento eficiente da úlcera venosa da perna inclui:
• Desbridamento da ferida e cuidado da ferida: limpeza da ferida e cuidados na pele circundante.
• O tratamento de compressão é um elemento dos cuidados com a ferida, embora muita gente acredite que os cuidados com a ferida se limitem à limpeza e ao curativo dos defeitos da pele.
• Tratamento da doença subjacente: no caso de úlcera venosa da perna isso significa que a doença venosa tem de ser tratada. São usadas meias clínicas de compressão como tratamento modificador da doença ou ataduras elásticas
• Soluções para a prevenção efetiva de recidivas das doenças.

Além do controle  de secreção, infecções, possíveis dores e da compressão, o tratamento da ferida desempenha um papel importante na úlcera venosa da perna e deve ser efetuado por médicos ou prestadores de cuidados qualificados. Você não deve, nunca, tentar tratar da ferida com pomadas ou outro produto não indicado pela equipe médica. As feridas abertas têm de ser desbridadas e os tecidos mortos removidos. Curativos especiais asseguram que a ferida não seque e favorecem o processo de cura.

 

Fases de tratamento 

Fase 1: desbridamento da ferida, com limpeza mecânica da ferida ou com curativos especiais; 
Fase 2: formação de novo tecido conjuntivo - durante a segunda fase da cura da ferida o corpo reenche as lacunas da pele. A fim de estimular o crescimento de tecido conjuntivo, são aplicados curativos específicos que estimulam a formação de cicatrização e mantêm a ferida úmida na quantidade certa. Ferida muito úmida e muito seca, não cicatriza;
Fase 3: formação de pele nova - durante a terceira fase da cura da ferida, esta contrai-se e as células da pele crescem para o interior a partir das margens da ferida para a fechar. 

 

Prevenção

Após a cicatrização de uma úlcera esse paciente apresenta uma sensibilidade maior a abertura de novas feridas no mesmo local. É importante avaliar com médico cirurgião vascular as possibilidades de tratamento das varizes causadoras dessas  lesões. 

Bem como uso de meias elásticas, atividade física regular estimulando o retorno do sangue ao coração através dos movimentos da panturrilha. Hidratar a pele também se faz necessário como cuidar com traumas, coçaduras e picadas de inseto. E sempre acompanhar com Cirurgião Vascular.

Dra Patrícia Mandryk Mellek Kaestner
Cirugia Vascular
CRM-SC  10872
RQE 7304

 

Quer receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.



Veja também: