Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx Cº / Min °C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

“Essa família é muito unida”

Fazer papel de Papai Noel é uma marca registrada de família pomerodense

e1e71e95145ff87288d0a5361230120f.jpg Foto: Arquivo pessoal

De geração para geração. Esse é um dos pilares que a família Dallmann possui quando a época do Natal começa a chegar. Isto porque, dois filhos, o pai e a mãe, vestem a camisa, literalmente, para interpretar uma das figuras mais emblemáticas da época natalina, o Papai Noel. 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/906dd0914713bf0c60baa626ec8a4857.jpg

 

Tudo começou quando o pai, Werner Dallmann, começou a fazer o papel de Papai Noel de maneira voluntária, até quando foi chamado pela prefeitura para realizar ações natalinas, pelo município. Nesse ritmo, a mãe e esposa de Werner, Anali Muller Dallmann, já fazia também o Papai Noel, em casa, para as crianças, durante o Natal, quando improvisava as roupas vermelhas que tinha em casa, guardadas no guarda-roupa. E, pela aprovação da vizinhança, ela começou a animar o Natal da rua e outras do entorno, interpretando o “bom velhinho”.

Começou com o trenó, puxado por um jipe, no qual ia dirigindo pelas ruas da cidade. Porém, quando a agenda começou a ficar muito cheia e a demanda para atender os mais diversos eventos na cidade, Marcos Dallmann começou a ajudar o pai, iniciando por escolas e também na própria vizinhança. 

 

Mas, os pedidos pelo Papai Noel ainda ultrapassavam as demandas a serem atendidas pelos dois, foi aí, então, que o outro irmão, Edielson Werner Dallmann, também resolveu ajudar a família, sendo mais um a abraçar fortemente a tradição. Agora, os quatro se dividem nas tarefas, seja em escolas, eventos em Pomerode ou até mesmo fora da cidade.

De acordo com o filho, Marcos Dallmann, a inspiração veio ao observar o pai e a mãe passando a magia do Natal para as crianças, inclusive na época de infância.
“A gente sempre via meus pais fazendo o Papai Noel e a gente se sentia encantado com tudo isso. Quando éramos crianças, por acreditar em Papai Noel, ficávamos muito felizes em receber o presente das mãos dele e poder fazer um Natal mais feliz para uma criança, é algo que nos motivou muito em continuar essa tradição tão bonita da nossa família”, explica.

 

(Foto: Tatiane Hansen / Jornal de Pomerode)

Dallmann também falou que há alguns diferenciais no trabalho feito pela família, ao exemplo, dos veículos utilizados quando o Papai Noel passa pelas ruas de Pomerode.

“Além do Trenó, que já é algo bem característico do Natal, usamos o jipe, sem o trenó, no caso e até mesmo de Fusca, com isso, até mesmo os adultos ficam interessados naquilo, tiram fotos e aproveitam para registrar o momento com seus filhos”, relata.

 

Quer ser o primeiro a receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.

 



Tags:
Veja também: