Domingo, 08 de Dezembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 17°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Disciplina e obediência em quatro patas

Conheça um pouco do trabalho de um adestrador de cães e os exercícios realizados com seus cachorros

eecd47a2d56ae7c8494b6ab8c2273a02.jpg Foto: Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode

Obediência e disciplina, fruto de muito treinamento e preparação. Ter um animal de estimação exige cuidado e muita atenção de seus donos. Os cachorros, dependendo da raça, possuem características diferentes, uns mais agitados e agressivos e outros que preferem ficar “de boa”, no seu canto. 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/906dd0914713bf0c60baa626ec8a4857.jpg

 

Alguns possuem comportamentos rebeldes quando seus donos não estão em casa, cujas atitudes se tornam diferentes, em virtude dos momentos de solidão e tédio. Mas, não é uma tarefa fácil fazer com o que o cachorro obedeça aos seus comandos e passe a ser mais disciplinado. Por isso, algumas pessoas procuram e optam pelo adestramento de cães.

Com isso, fomos até Testo Central para conferir como é o treinamento e como ficam as atitudes de um cachorro após uma série de ensinamentos, passados por um profissional da área. Há 17 anos, Caio Barbosa atua como adestrador de cães, possui vários certificados na área e está em Pomerode há poucos meses, onde resolveu investir em um centro de adestramento para cães, o Hunderplatz. No local onde são realizados os treinamentos, Barbosa trouxe o seu Pastor Holandês, o Wolf, que desde os 45 dias de vida, é treinado pelo adestrador.

 

(Foto: Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode)

 

Hoje, com quatro anos de idade, Wolf é um dos mais disciplinados de todos os cães que pertencem a Barbosa, já que o treinador possui cachorros de outras raças, em sua residência. O Pastor Holandês é uma raça perfeita para guarda de casa e, também, para a polícia, já que seu faro ajuda no trabalho de busca de narcóticos. Além disso, é uma raça que passa confiança ao seu dono e possui uma boa resposta nos treinamentos. Também pode ser um cachorro de competições, devido ao seu porte físico e resistência.

Nossa equipe foi conferir de pertinho um pouco da disciplina de Wolf. Os comandos são dados por Barbosa e, prontamente, o cachorro obedece. Participamos de vários exercícios, juntamente com o adestrador e o cão, e o que mais impressiona é a prontidão e respeito que Wolf tem com seu dono e treinador. Em um dos exemplos, um dos nossos repórteres tentou dar uma salsicha para que o cachorro comesse, porém, ele não aceita o alimento vindo de outra pessoa e mesmo jogando no chão, Wolf ignora e não come. Mas, se Barbosa oferecer, o cachorro pega a salsicha, mostrando a confiança que o dono passa para ele e vice-versa. 

 

Outro exercício foi feito com a popular brincadeira de jogar a bolinha para o cachorro buscar. O treinador joga para longe e pede para que Wolf fique no lugar. Após um comando autorizando o cão a correr, Wolf sai em disparada para buscar a bolinha e devolve para o dono, sem maiores problemas.

 

(Foto: Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode)

 

O que também chama atenção, é quando Barbosa dá o comando para que o cão fique em alerta. Com isso, Wolf começa a latir e fica pronto para atacar em caso de perigo, porém, se logo depois dar um outro comando mostrando que a pessoa não representa nenhuma ameaça, Wolf parte para cima dela, mas, para cumprimentar e brincar com a mesma pessoa que foi apontada como um indivíduo de risco, mostrando mais uma vez toda a educação que tem com seu dono.

No final, chegou a hora de mostrar as situações de revista e ataque. Um dos nossos repórteres serviu de “cobaia” para o exercício. Para isso, colocou uma roupa especial, que é usada nesses treinamentos, para evitar que o dente do cachorro perfure alguma parte do braço, já que o mesmo é treinado para morder apenas esta parte do corpo. Com o aval de Barbosa, Wolf parte para a revista no indivíduo, puxando-o para o chão, imobilizando, o que poderia ser uma possível ameaça ao seu dono. Outro exercício também mostra que o cachorro, mesmo após a disparada, pode parar antes do ataque, após um comando do treinador. 

Além de toda a sua obediência e respeito, Wolf também mostrou um pouco de suas habilidades competitivas, pulando obstáculos e correndo pelo pátio da Hunderplatz, com resistência e força.

 

(Foto: Isadora Brehmer / Jornal de Pomerode)

De acordo com Barbosa, o tempo de treinamento depende da raça e, também, do comportamento de cada cão. “Isso varia de animal para animal e da necessidade do treinamento. Alguns, resolvemos em praticamente um mês, na questão de obediência básica. Já outros necessitam de mais tempo. Os treinos mais avançados duram, em média, de um a um ano e meio. Com Wolf, treino ele desde os 45 dias de vida e continuo realizando exercícios para aperfeiçoar ainda mais a técnica. E é por isso que ele impressiona obedecendo todos os comandos”, relata o adestrador.

Barbosa também reforça que não existe cachorro que seja impossível de ser instruído ou disciplinado. “Todas as raças podem ser treinadas, inclusive, os vira-latas. O que pode variar de um para outro é o tempo de treinamento, como dito anteriormente. Mas, não existe nenhum cachorro que não consiga ser adestrado, todos podem ser treinados e obedecer ainda mais o seus donos e famílias”, comenta.

 

Mas, não existe nenhum cachorro que não consiga ser adestrado, todos podem ser treinados e obedecer ainda mais o seus donos e famílias

 

O adestrador aproveitou para dar algumas dicas para que seu cachorro possa dar menos trabalho, caso o seu animal de estimação, for um pouco rebelde ou “apronta” quando você sai de casa.

“Uma dica que eu dou, para aqueles que, às vezes, chegam em casa e percebem que há algo quebrado ou destruído, é ligar um rádio ou uma televisão, pois os cães vão se distrair com o barulho, fazendo com que eles se acalmem um pouco e não percebam tanto a falta de seu dono em casa. Claro, isso varia do temperamento de cada cão, porém, na grande maioria das vezes, dá certo. Lembrando que o volume não precisa estar tão alto, pois a audição deles é mais sensível do que a nossa”, reforça.

 



Veja também: