Jornal de Pomerode


Unicesumar vai investir R$ 5 milhões em polos catarinenses e inova forma de ensino

Os polos da Unicesumar de Blumenau, Jaraguá do Sul, Joinville, Itajaí e Brusque, serão os primeiros de Santa Catarina a contar com o inédito modelo híbrido de ensino de Engenharia e Arquitetura e Urbanismo do Brasil. É uma nova modalidade de ensino.

2fef9e9e28865daf46b84046f8da588c.jpg Foto: Divulgação

Os polos da Unicesumar de Blumenau, Jaraguá do Sul, Joinville, Itajaí e Brusque, serão os primeiros de Santa Catarina a contar com o inédito modelo híbrido de ensino de Engenharia e Arquitetura e Urbanismo do Brasil. É uma nova modalidade de ensino, que une o melhor da educação a distância, com o melhor da formação presencial. De acordo com o coordenador do projeto Híbrido da Unicesumar, Aécio Lira, o investimento, nesse modelo de educação, tem por objetivo melhorar a qualidade e a formação desses profissionais.

O lançamento da novidade ocorreu durante o 23º Congresso Internacional Abed de Educação a Distância. Formadores de opinião da área educacional estão apontando o projeto como uma das maiores novidades no ensino superior no País. Desenvolvido ao longo dos últimos dois anos, o novo modelo nasceu da troca de experiências de professores renomados de Engenharia no Brasil que, juntos, descobriram um novo significado para o ensino oferecido até hoje no país, seja no modelo presencial, como na educação a distância. “Nossa inquietação inicial foi a alta evasão escolar, a má qualidade da maioria dos cursos existentes – uma calamidade –, a baixa empregabilidade dos recém-formados e o comprometimento da indústria nacional num futuro bem próximo”, conta Lira.

Depois de 30 anos como professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde ocupou a diretoria da Escola de Engenharia, e 13 anos de atuação no ensino privado, Lira constatou uma “crise nacional” na formação de engenheiros no Brasil. “A cada ano, cerca de 300 mil novos alunos ingressam nas centenas de faculdades de Engenharia no país. De cada 100 alunos que entram na faculdade, apenas 35 concluem o curso. E dos cinco mil cursos de Engenharia existentes no Brasil, apenas 19% têm nota 4 ou 5 no Enade, contra 51% que têm notas 1 e 2. O ensino de Engenharia no Brasil só cresce em quantidade, mas não em qualidade; um verdadeiro caos”, explica. 

Segundo Lira, essa realidade faz com que o primeiro critério de seleção de novos engenheiros para o mercado de trabalho seja a instituição na qual se formou. “Quem não é formado por uma das instituições dos 19% de notas 4 e 5 dificilmente consegue colocação, o que faz com que aumente, a cada ano, o número de engenheiros desempregados ou subempregados no país”, afirma.

Diante dessa realidade, Lira começou a buscar parceiros para criar um novo modelo de formação de engenheiros no Brasil. “Bati em muita porta, mas só encontrei as condições necessárias para desenvolver esse projeto na Unicesumar. A partir daí, conhecemos profundamente os modelos híbridos existentes nos Estados Unidos, no MIT, Stanford, Berkeley, Olin College, Purdue, Illinois/Urbana, Iowa State University e Northeastern University, e nos Institutos Indianos de Tecnologia, na Índia, que estão muito avançados nessa área, e reunimos os melhores profissionais das melhores instituições federais e públicas de ensino de São Paulo. Depois, validamos o modelo híbrido junto às principais entidades do setor”, conta o coordenador do projeto.

Entre as entidades que também participaram das discussões e ajudaram a formatar o modelo final do Híbrido Unicesumar, estão a Associação Brasileira de Educação em Engenharia (Abenge) e Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). “Nos próximos dez anos, o Brasil vai viver uma nova realidade na formação em Engenharia e a Unicesumar estará à frente nesse novo momento histórico, que terá grande impacto no desenvolvimento da indústria nacional e formará uma rede educacional indutora do desenvolvimento municipal sustentável nas áreas de infraestrutura e urbanismo. Esse é um modelo inspirador, que será copiado e replicado”, assegura Lira.
 
Como funciona 

O Híbrido Unicesumar é a nova escola de Engenharias e Arquitetura e Urbanismo do Brasil, que utiliza técnicas pedagógicas presenciais e a distância. É uma metodologia inovadora que oferece qualidade de ensino, tecnologia educacional de ponta, garantia de aprendizagem, material didático próprio e estrutura física nos polos escolhidos para receber o modelo Híbrido, que oferecerão salas de aulas modernas e laboratórios físicos e virtuais, com recursos em realidade aumentada e práticas programadas.

O Híbrido Unicesumar oferecerá cursos de Engenharia Elétrica, Engenharia Civil, Engenharia Mecatrônica, Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção e Arquitetura e Urbanismo, todos com cinco anos de formação. O ano letivo será dividido em quatro módulos, com duração de dez semanas cada e duas disciplinas por módulo.

A semana de aula está estruturada para seis dias de atividades, sendo três dias de auto estudo, um dia de aula ao vivo (transmitidas via streaming live), dois dias de encontro presencial no polo e/ou de prática laboratorial, também no polo. Todas as atividades presenciais terão controle de frequência de no mínimo 60% de presença.

O Híbrido Unicesumar foi estruturado a partir de metodologias ativas, com aprendizagem baseada na reflexão sobre a experiência, em projetos e solução de problemas e em timing. A metodologia reúne, ainda o ensino dirigido e por pesquisa, estudos de caso, gameficação e peer instruction (instrução entre pares).
A sala de aula no modelo híbrido é invertida. Antes das aulas, o aluno prepara-se sobre o tema. Durante as aulas, o aluno pratica os conceitos aprendidos. Depois das aulas, o aluno revisa o conteúdo e estende seu aprendizado. 

No início de cada disciplina, o aluno conhece a sua trilha de aprendizagem, visualizando onde está e onde vai chegar. Trata-se de um mapa mental que ajuda a orientar as dez semanas de estudos.



Tags:
Veja também:
Galeria de fotos: 2 fotos









Publicidade

  • 50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg