Jornal de Pomerode

Edição Impressa



int(65439)

Um tour de muitos aprendizados

Casal pomerodense aposta em destinos diferenciados na Europa, a fim de adquirir mais conhecimento em suas respectivas áreas de atuação profissional

a1dc7eae67e015da9c57d14d53d062b8.jpg Foto: Arquivo JP

Conhecer uma nova cultura, em seus mais diversos aspectos, visitando locais diferentes dos destinos turísticos mais tradicionais. Foi isso que o casal Larissa Guerra, microempreendedora individual de gastronomia, e Robson Scheiwe, presidente do Grupo Cervejeiros Pomeranos, fez ao viajar à Europa, no mês de março, a fim de realizar um tour gastronômico.

“Fomos interessados em conhecer as cervejarias artesanais, restaurantes que trabalham com pequenos produtores e, claro, as paisagens e vivências que este tipo de experiência nos proporciona”, relata Scheiwe. 

O casal conta que a ideia surgiu em meados de 2017, quando Larissa se formou no curso de Gastronomia e os dois decidiram morar juntos. Em agosto do ano passado, as passagens foram compradas e eles começaram a organizar o roteiro e a logística da viagem. Os destinos escolhidos foram Amsterdã, na Holanda, Bruxelas, na Bélgica e Eslovênia, onde ficaram por uma semana e conheceram diversas cidades. 

O trajeto foi percorrido de ônibus e van. Eles desembarcaram do avião em Amsterdã, e de lá, seguiram para Bruxelas, de ônibus, em uma viagem que dura menos de duas horas. Depois de passear pela cidade e conhecer os locais que tinham as características procuradas pelo casal, pegaram um avião para Ljubljana, a capital da Eslovênia. “Na Eslovênia, nós alugamos uma T3, uma van que sucedeu a Kombi na Europa, e viajamos pelo país com ela, já que era uma espécie de motorhome antigo, adaptada para dormirmos e fazermos nossas refeições”, contam.

A passagem pela Eslovênia, viajando com a T3, para o casal foi a parte mais marcante do roteiro. “Pegamos neve, vimos muitas paisagens incríveis, cruzamos os Alpes Julianos, fomos até o litoral. Isso é algo que nunca vamos esquecer. Também nos emocionou muito a visita à cervejaria Cantillon, em Bruxelas. É uma cervejaria centenária, um ícone porque produz cervejas de fermentação espontânea e é administrada pela mesma família há quatro gerações. E, no dia em que estivemos lá, estava rolando uma brassagem para marcar o fim da produção, já que eles fazem cervejas apenas durante o inverno europeu, então, pudemos acompanhar a produção de uma Lambic com todas as suas particularidades e histórias. Foi demais!”.

O casal elenca como principal aprendizado os conhecimentos adquiridos com as pessoas com quem conversaram nas cervejarias e restaurantes, que são apaixonados pelo que fazem e valorizam a história e o contexto do que produzem. 

“Foi uma experiência muito marcante para nós, que, com certeza, nunca vamos esquecer. Viajar abre muito a cabeça para novas possibilidades, costumes, histórias. Estamos muito felizes em termos planejado e feito a viagem da forma que queríamos, priorizando aquilo que nos interessava mais”, ressaltam.

E, como o roteiro foi uma experiência marcante e muito proveitosa para ambos, tanto pessoal quanto profissionalmente, o casal já pensa em, futuramente, retornar. “A Larissa conheceu Amsterdã há cinco anos, então, de certa forma, ela já teve a chance de voltar. Mas nós voltaríamos a todos esses lugares de novo, há muito a se explorar e, certamente, ficou muita coisa de fora. Só que também queremos conhecer mais lugares, então, talvez, esse retorno demore um pouco”, destaca Scheiwe.

 



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: Arquivo JP Arquivo Pessoal
Tags:
Veja também:









Publicidade

  • 50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg