Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Ueja pode passar por mudança

Instituição terceirizada pode assumir os serviços na Unidade de Educação para Jovens e Adultos

823f65a5ae4276faa510baa5b35c59ef.jpg Foto: Raphael Carrasco/JP

A Unidade de Educação para Jovens e Adultos de Pomerode poderá passar por uma mudança no serviços prestados. De acordo com a Prefeitura, há estudos para, talvez, terceirizar os serviços por meio de uma instituição especializada, o que acarretaria em apenas uma mudança e não no encerramento das atividades da instituição.

Segundo o prefeito Ércio Kriek, há algum tempo, quando a gestão da Secretaria de Educação e Formação Empreendedora ainda estava sob a responsabilidade de Neuzi Schotten, houve uma visita de profissionais da Cooperativa de Educação de Professores e Especialistas (Coope), oferecendo-se para gerir a educação de jovens e adultos na cidade.

Porém, na época, a possibilidade não foi aceita. Mas agora, em 2018, o assunto veio à tona novamente e antes de tomar qualquer decisão, houve um novo diálogo com a Coope, para entender o seu método de trabalho e seus custos. “A proposta de trabalho da Coope é muito parecida com a atual do Ueja, mas com algumas vantagens, como o aluno não precisar aguardar a formação de uma turma para concluir alguma disciplina pendente e a Coope já ter a certificação do Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina”, cita o prefeito.

A principal vantagem, no entanto, seria a redução de custos para a prefeitura com a implantação de um serviço terceirizado. “Partimos do pressuposto que o serviço é o mesmo e estamos estudando o modo de trabalho da Coope. A economia viria considerando que, se tivéssemos 150 alunos na Ueja, com a prefeitura executando o serviço, teríamos uma folha de pagamento de R$ 250,00. Com a Coope assumindo o trabalho, seriam cobrados R$ 100,00 por aluno, ou seja, uma redução de R$ 150,00 nos custos por estudante e uma economia de cerca de R$ 20.000,00 por mês. E acreditamos que economia é algo que o cidadão espera”, explica Kriek.

Depois de mais uma conversa com a Coope, estão buscando mais informações sobre o trabalho da cooperativa, que atua, também em municípios. “Não queremos acabar com a Ueja, mas precisamos de alguma mudança. Caso a Coope assuma os trabalhos, além de tornar o trabalho da instituição mais viável, é preciso ser feito algo para que tenhamos a educação funcionando no tempo ideal, ou seja, nas escolas públicas”, ressalta.

O prefeito também comenta que foi realizada uma reunião na Ueja, explicando a intenção, que acredita-se ser viável e ideal, mas que só será colocada em prática caso se tenha certeza a respeito da qualidade do serviço e das vantagens que pode representar para economia.

“Pomerode ainda mantém, bancada pelo município para jovens e adultos e de forma alguma queremos acabar com esta instituição. Portanto, caso haja a mudança, só será feita no ano que vem e, antes de ser tomada a decisão, está sendo dialogado com a própria Ueja, para que seja feita a melhor escolha”, finaliza.

 



Veja também:









Publicidade

  • 
    eb224b55631b8f403d168a912e1f6fb6.jpg4b580c53dad677f2141dea5ad908465d.jpg