Jornal de Pomerode


Sessão Solene na Casa Legislativa marca o início das comemorações da Semana da Pátria

Foi com grande satisfação que o Presidente da Câmara de Vereadores, Rafael Pfuetzenreiter, declarou aberta a Sessão Solene na Casa Legislativa, marcando oficialmente as comemorações da Semana da Pátria em Pomerode.

7038ea5fecc6283edba4b42b869bdf19.JPG Foto: Divulgação


Foi com grande satisfação que o Presidente da Câmara de Vereadores, Rafael Pfuetzenreiter, declarou aberta a Sessão Solene na Casa Legislativa, marcando oficialmente as comemorações da Semana da Pátria em Pomerode.

O evento foi realizado na noite de terça-feira (05/09) e contou com a presença de todos os vereadores; do prefeito Ércio Kriek; da vice-prefeita, Gladys Sievert; da secretária de Educação, Neuzi Schotten; representantes das entidades religiosas de Pomerode, na pessoa do Pastor Antônio Carlos dos Santos; diretores, professores e alunos das escolas da rede pública, municipal e particular; representantes de conselhos e entidades, secretários municipais, imprensa e comunidade em geral. 

Reflexão ecumênica 

Inicialmente, o presidente da Câmara convidou o Pastor Antônio Carlos dos Santos, que proferiu uma reflexão ecumênica alusiva ao evento: 

Fico feliz em compartilhar este momento alusivo à Semana da Pátria com toda a comunidade. Um país pode ser conquistado pelas forças das armas, com um poderio bélico, mas uma Pátria não pode ser conquistada. Uma Pátria tem que ser construída. A nossa Pátria deve ser construída por nós, os brasileiros. O Brasil vem sendo construído desde os nossos antepassados, tijolo por tijolo. A nossa geração deve levar adiante este processo, todos unidos. Nós a construímos. Pode não ser a mais rica do mundo, mas com certeza é a melhor do mundo, pois é a nossa Pátria. Finalizo, citando a Bíblia Sagrada, Salmos 33, Versículo 12 que diz: ‘Feliz é a Nação cujo Deus é o Senhor’. Que Deus abençoe a todos, muito obrigado.

Pronunciamento do vereador Jean Nicoletto (em nome do PSDB): 

Estamos na Semana da Independência, cada vez mais dependentes e carentes de uma estrutura política mais justa e menos corrupta. Para continuarmos a nossa caminhada rumo à ordem e ao progresso, o povo brasileiro foi às ruas, mostrou que ainda sabe cantar o Hino Nacional... Pressionou até que o governo resolveu se manifestar. O PSDB de Pomerode está junto nesta luta, como bravos guerreiros, lutando por melhorias para a nossa cidade, de Santa Catarina e do Brasil.

Viva o Brasil!

Pronunciamento do vereador Sirio Jandre (em nome do PSD): 

Estamos na Semana da Independência, cada vez mais dependentes e carentes de uma estrutura política mais justa e menos corrupta. Para continuarmos a nossa caminhada rumo à ordem e ao progresso, o povo brasileiro foi às ruas, mostrou que ainda sabe cantar o Hino Nacional... Pressionou até que o governo resolveu se manifestar. O PSDB de Pomerode está junto nesta luta, como bravos guerreiros, lutando por melhorias para a nossa cidade, de Santa Catarina e do Brasil.

Viva o Brasil!

Pronunciamento do vereador Sirio Jandre (em nome do PSD): 

É com muita alegria que faço esse breve discurso alusivo à Semana da Pátria, pois falar desta data é uma honra para mim. Quando fiz o meu primeiro discurso, nesta tribuna, falei do sentimento de civismo que estava sentindo e agora posso reafirmar esta emoção ainda maior. Por isso, nesta Sessão que se antecede o Sete de Setembro, onde comemoramos e relembramos um conjunto de atos que nos deram a independência do país, vejo que chegou mais uma vez a nossa hora de repetirmos os atos que nos tragam de volta a nossa independência. Essa que aos poucos nos é afanada debaixo do nariz. E nada melhor para refletirmos sobre isso do que nessa semana em que relembramos os sacrifícios do passado. Pois, estamos de fato em um país livre, mas precisamos buscar a liberdade diariamente, com valores, como: alicerce familiar; educação de qualidade, oportunidade para todos, estender a mão quando necessário, e não deixar que roubem nossa liberdade. E sim, sejamos protagonistas de um Brasil melhor para todos. E por isso, quero deixar um recado para os jovens que vão desfilar no dia 7 de Setembro: Marchem e pisem firmes porque esse chão é de vocês. E como já dizia o Hino Nacional ‘Filho teu não foge à luta’. 

Pronunciamento da vereadora Cleide Kamchen (em nome do DEM): 

Cleide Kamchen inicia com breves considerações sobre o dia 7 de setembro. “... no dia 07 de setembro deste ano, comemoraremos 195 anos da Independência do Brasil. Aproximadamente dois séculos de independência. Importante destacar que a Independência do Brasil é o marco maior da História Brasileira, pois o Brasil deixou de ser colônia de Portugal e passou a ser um país independente. A independência foi o sonho dos inconfidentes. Lembrando que os inconfidentes eram estudiosos, poetas, religiosos que lutaram contra a opressão do governo português no período colonial e no período de impostos abusivos. E o seu maior líder era Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes... Lamento que o dia 7 de setembro, para muitos, significa apenas mais um dia de feriado. Mas, quem não gosta de um feriado. Porém, nós brasileiros, temos que ter em mente que ‘para melhorar nosso país, precisamos abrasileirar o Brasil’. E o civismo é uma ferramenta necessária e diria até fundamental. E fazendo uma comparação com um passado não muito distante, utilizo minha época como exemplo, o civismo, o patriotismo aconteciam de maneira muito mais efetiva. Parece que, apesar das dificuldades políticas naquele tempo, as pessoas tinham mais orgulho em ser brasileiras. Lembro-me que quando eu era criança, jovem estudante, cantar o Hino Nacional na escola e hastear a Bandeira Nacional, não eram atividades exclusivas do dia 7 de setembro. Contudo, atualmente, infelizmente, é provável, que muitos estudantes saiam da escola sem saber a letra do Hino Nacional Brasileiro; além de nunca terem participado do hasteamento da Bandeira Nacional. Questiona-se: o que fazer? Vontade para que isso ocorra. A Lei Federal nº 12031 de 2009 estabelece que nos estabelecimentos públicos e privados de ensino fundamental, é obrigatória a execução do Hino Nacional uma vez por semana, vejam bem, o Hino Nacional uma vez por semana. Mas essa obrigatoriedade, em alguns estabelecimentos de ensino, não é observada. E infelizmente a continuidade do canto do Hino Nacional não se observa no Ensino Médio, pois afinal não é obrigatório”, mencionou. Cleide destaca a necessidade do resgate do espírito cívico. “Penso que é necessária a mudança de postura. E não apenas observar o cumprimento de legislação para termos atitudes, comportamentos de civismo e patriotismo. É necessário resgatar o sentimento de orgulho, amor e devoção à pátria e aos seus símbolos.  Assim, acredito que a situação problemática do Brasil esteja relacionada com essa falta de civismo, pois se houvesse de fato conhecimento, sentimento e respeito aos nossos símbolos nacionais, desde a formação das nossas crianças, dos nossos jovens, o Brasil formaria e teria cidadãos dignos e defensores da nossa Pátria, semeando, cultivando, o espírito cívico. E com certeza, até a escolha dos nossos políticos seria feita dentro de padrões mais coerentes, se também fosse considerado o grau de civismo, de patriotismo do candidato. Então, somos brasileiros, nascemos no Brasil e seremos um país forte, se demonstrarmos o nosso civismo, o nosso patriotismo. E para asseverar o mencionado destaco as palavras de Abraham Lincoln: ‘não pergunte o que o seu país pode fazer por você, mas sim o que você pode fazer pelo seu país’. Finalizando: terra adorada, entre outras mil, és tu, Brasil, ó Pátria Amada. A bancada do DEM convida a comunidade para participar e prestigiar o desfile cívico que ocorrerá no dia 7 de Setembro e deseja um feliz dia 7 de Setembro com espírito cívico a todos!

Pronunciamento do vereador Aldino Oldenburg (em nome do PMDB): 

A comemoração a Semana da Pátria remete-nos ao tão famoso grito do Ipiranga, proferido pelo príncipe-regente D. Pedro I que significou a nossa Independência política como Colônia de Portugal. Como Brasil-Colônia, começaram as ideias de liberdade política, na Inconfidência Mineira, com a morte de Tiradentes, Joaquim José da Silva Xavier, em 21 de abril de 1972, inspirada na Revolução Francesa sobre o tripé: Liberté, Egalité e Fraternité (liberdade, igualdade e fraternidade). Ainda no colonialismo, éramos exemplos vergonhosamente das nossas riquezas minerais, sobretudo dos nossos metais preciosos. Desde 1500 a 1822 fomos saqueados pela Coroa Portuguesa... As nossas economias. Assim, desde o Grito do Riacho do Ipiranga, fomos arrancados da lama do Reino Português, desde a miséria do analfabetismo com os percalços da ignorância. E depois caminhamos para a liberdade das ideias, a partir da consciência política. Foi um gesto de um caminho árduo da glória da soberania de um povo sofrido, até veredas dos grandes objetivos políticos da democracia sul-americana. Aos trancos e barrancos, sem eira nem beira, construímos essa nossa nação livre tropical soberana, com 195 anos de Independência. Somos livres para escolher nossos governantes, bem ou mal, nossa independência caracteriza-se como processo político fundamental, necessário, da vontade individual da população e a conquista da consciência política a partir da Constituição. Eis a virtude brasileira que nos falta, como voto popular dos governantes, sem corrupção de uma economia sólida. Somente assim, chegaremos ao porto seguro, onde as caravelas de Cabral ancoraram e descobriram essa “Terra Brasílis, em 1500, com o slogan de Pero Vaz de Caminha ‘até que a paz persista e floresça’”. 

Pronunciamento do vereador Amarildo da Silva (em nome do PP): 

Falar sobre a pátria brasileira significa lembrar-se de toda uma história que foi construída por diferentes personagens, e que tornaram possível que hoje estivéssemos aqui, para comemorar o dia da independência do Brasil, da coroa portuguesa que, como sabemos, passou muitos anos sendo os governantes deste país, enquanto colônia. Pensamos que este momento deve ser lembrado por cada um dos brasileiros, em cada ano, uma vez que, para termos uma sociedade democrática, na qual escolhemos os nossos dirigentes, podemos expressar as nossas ideias, vemos ampliadas oportunidades de participação social no mundo do trabalho, bem como, no acesso a educação formal em diferentes níveis e tipos de oferta educacional, como meio de melhor participarmos como cidadãos dos destinos do país, que nem sempre se deram da forma que hoje temos. Nesse sentido, devemos referenciar diferentes personagens da nossa história desde o Brasil colônia até os dias atuais, uma vez que, em cada contexto da nossa trajetória como nação, existem desafios que devem ser enfrentados nas diferentes instancias que compõem a nossa federação: municípios, estados e união. Por isso, o culto à pátria deve fazer parte de nosso cotidiano como expressão de um sentimento de pertencimento a uma nação que se constrói no dia a dia, a partir das ações de cada um dos brasileiros nas diferentes atividades e papeis sociais. Que assume como professor, pai, mãe, operário, profissional liberal, militar, dirigentes, entre outros. Portanto, queremos chamar a todos para contribuir com as suas ações, para que tenhamos uma pátria na qual seja possível uma convivência pacifica e respeitosa aos direitos humanos e, possamos aproveitar da melhor forma possível as oportunidades que vimos construindo. E com isto, garantir um futuro cada vez mais cheio de perspectivas para todos os brasileiros. Assim, possamos construir um sentido verdadeiro de federação em um país que é composto por uma diversidade de etnias, mas que contribuíram e continuam a contribuir, enquanto pessoas que existem em um dado tempo, espaço e momento. Isto nos impõe possibilidades, mas também, limitações para continuarmos sendo úteis como seres humanos para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Abraço fraterno do Partido Progressista a toda comunidade pomerodense. Que Deus abençoe a todos nós brasileiros.

Pronunciamento da secretária de Educação e Formação Empreendedora, Neuzi Schotten: 

Mais uma vez chegamos à Semana da Pátria. Em 2017 comemoramos 195 anos de Independência do Brasil. Como professora que sou, fico pensando como podemos, através da educação, renovar e fortalecer a independência da nossa nação brasileira. Lembrei-me da minha professora de Políticas Públicas Educacionais que outro dia disse que a nossa militância na educação é feita através da difusão do conhecimento. Nesse sentido há que se lembrar de que o conhecimento não é transmitido, mas é construído a partir de inteirações que temos com o meio em que vivemos. E quando falamos de conhecimento construído no seio da escola, há que se destacar que este conhecimento não se trata de qualquer conhecimento, de conhecimento do senso comum. Na escola se constrói o conhecimento científico. Através do conhecimento já construído por aqueles que nos antecedem, construímos novos conhecimentos sobre fenômenos ambientais, sociais, culturais, espirituais e humanos. O professor é, por excelência, aquele que possibilita aos alunos a construção de novos conhecimentos científicos. A escola somente cumpre seu papel quando produz ciência. Por isso, não se concebe mais práticas pedagógicas que fazem com que o aluno apenas decore os conteúdos e reproduza nas provas para tirar nota. Não! Isto não é Independência! A Independência pessoal, social, acadêmica se constrói quando se forma sujeitos pensantes, sujeitos capazes de problematizar uma situação, utilizar os conhecimentos que já tem a respeito desta situação e avançar naquilo que sabe. Desta forma, podemos pensar, podemos pensar em uma Nação independente. Uma independência construída a partir do desenvolvimento do pensamento e da construção do conhecimento. O conhecimento é construído de diferentes áreas. Uma das áreas mais belas é a Arte. A Arte desenvolve o conhecimento ético e estético, desenvolve a sensibilidade e o belo. Por esta razão procurei em uma das mais antigas manifestações da Arte, a Poesia, uma forma de homenagear a nossa Pátria, o Brasil. E uma forma de homenagear os profissionais da educação, que constroem a independência através do conhecimento em cada um dos sujeitos que compõem esta Nação Brasileira. Inicialmente encontrei uma Poesia de 1846 – Canção do Exilio – Gonçalves Dias. Esta poesia foi produzida no primeiro momento do Romantismo no Brasil, época da qual se vivia uma forte onda de nacionalismo, que se devia ao recente rompimento do Brasil com Portugal. Um trecho da Canção do Exílio dizia: ‘Minha terra tem palmeiras; Onde canta o sabiá; As aves, que aqui gorjeiam; Não gorjeiam como lá. Não permita Deus que eu morra; Sem que eu volte lá; Sem que disfrute os primores; Que não encontro por cá; Sem qu’inda aviste as palmeiras; Onde canta o sabiá’. Quase cem anos depois, em 1956, Casimiro de Abreu escreve sobre as saudades que sente do tempo de criança e descreve uma Nação que permite o desenvolvimento saudável das crianças brasileiras. Escreve: ‘Meus oito anos – Oh! Que saudades eu tenho da autora da minha vida; Da minha infância querida; Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores; Naquelas tardes fagueiras; À sombra das bananeiras; Debaixo dos laranjais!’. Apenas algumas décadas depois, em 1980, Cazuza deixou gravado na história a canção ‘Brasil mostra a tua cara’. É um protesto aos escândalos políticos, às desigualdades sociais e às injustiças. Escreve em sua música protesto: ‘Não me convidaram para esta festa pobre que os homens armaram para me convencer. A pagar sem ver toda essa droga que já vem malhada antes de eu nascer. Mostra a tua cara, quero ver quem paga para a gente ficar assim. Brasil! Qual é o teu negócio? O nome do teu sócio? Confia em mim’. A partir da música de Cazuza poderíamos citar e declamar aqui muitas outras poesias que falam da Pátria Brasileira que se perdeu... Mas eu ainda tenho esperança e acredito naquilo que o nosso Hino Nacional diz: ‘Mas se ergues da justiça a clava forte; Verás que um filho teu não foge à luta; Nem teme quem te adora , a própria morte; Gigante pela própria natureza; És belo, és forte, impávido colosso; E o teu futuro espelha esta grandeza; Terra adorada; Entre outras mil és tu Brasil; Ó Pátria amada! Dos filhos deste solo é mãe gentil; Pátria amada Brasil!’. A todos e todas, feliz 195 anos de Independência do Brasil. 

Pronunciamento do prefeito Municipal de Pomerode, Ércio Kriek:

Cumprimento a todos e aproveito as palavras do Pastor Antônio Carlos dos Santos: ‘Feliz a nação cujo Deus é o Senhor. Muitas vezes pensamos que podemos deixar Deus de lado e caminharmos sozinhos. E talvez por isso, não estejamos tão bem. Mas eu espero que possamos ter Deus como o nosso Senhor, para que possamos verdadeiramente comemorar a Independência. E ouvindo as poesias proferidas pela secretária de Educação me lembrei da infância. Quando tínhamos que saber de maneira decorada muitas destas poesias. Naquela época, toda semana, tínhamos a hora cívica, em que cantávamos o Hino Nacional frente à Bandeira do Brasil. Não podemos esquecer que ao querermos ser independentes, precisamos saber que a liberdade nos traz responsabilidades. E será que nós brasileiros conseguimos assumir a nossa responsabilidade? Aproveitando as palavras proferidas pela vereadora Cleide, menciono novamente: Não pergunte ao seu país o que ele pode fazer por você, mas sim o que você pode fazer pelo seu país. Quantos de nós lutamos por um país melhor? E esperamos que os outros façam... E se formos ver, talvez nós brasileiros estamos tão dependentes do Estado que passamos por dificuldades. Nós lamentamos pelas dificuldades enfrentadas pelo nosso país, mas, quem é o responsável? Todos nós. Por isso, eu digo neste 7 de Setembro, que nunca é tarde para começarmos. Para lutarmos por uma independência e por um país onde todos nós podemos nos orgulhar e dizer: Este é o meu Brasil. Um país justo ao encontro do que nós queremos. Mas precisamos fazer a nossa parte. Assim, como aqueles que há quase 200 anos lutaram pela sua pátria, nos agora precisamos fazer o mesmo. Não vamos esperar pelos outros e sim, fazermos a nossa parte. Mas acima de tudo, também temos muito que comemorar. Temos muitas conquistas positivas. Vamos focar nestas conquistas, pois se fizermos isso, teremos força e motivação para lutarmos por um país cada vez melhor. E que possamos nesta data marchar com orgulho por um país que é nosso. Pois, tenho certeza que faremos a diferença. Feliz 7 de Setembro para todos nós e viva o Brasil!      

Pronunciamento do presidente da Câmara, Rafael Pfuetzenreiter:

Pomerode inicia neste dia, as comemorações cívicas anuais alusiva à Pátria, quando por tradição se enaltecem os valores da liberdade, fraternidade e igualdade, que são a base da democracia. A independência não é apenas um fato histórico, mas sim, uma conquista que deve ser cultivada todos os dias, por todos nós, respeitando as conquistas alcançadas ao longo da nossa história e que desfrutamos a cada instante, a começar pela liberdade, que é a maior riqueza de cada indivíduo. Porém é preciso lembrar que a liberdade também nos impõe deveres, pois ela não é ilimitada, pois se assim for, estaremos criando um estado de caos. Ela precisa ser vivida de forma consciente, lembrando sempre que a liberdade de um tem como limite a liberdade do semelhante. Se quisermos que nossos direitos sejam respeitados, devemos agir reciprocamente, lembrando a máxima: não faças aos outros o que não queres que te façam.  Por isso não podemos esquecer-nos de nossas obrigações, que começam em nossas casas, junto a nossas famílias e se transferem para a comunidade em que vivemos: trabalho, escola, clubes, entidades e locais públicos. Além disso, não temos o direito de nos omitir, e nem podemos esquecer que a liberdade não se limita ao livre deslocamento, mas também ao direito de expressão do pensamento por cada um, o que envolve as próprias opções de vida, desde que não representem a quebra da ordem moral e legal. Estamos vivendo um momento de crise econômica em nosso país, o que faz com que todos nós repensemos conceitos de vida e de comportamento, o que será vivido de forma mais intensa pelos nossos adolescentes e jovens, a quem peço que saibam valorizar o ensino, que se dediquem com esforço ao estudo. Pois, estamos vivendo um período conturbado em nossa história e precisamos da perseverança de todos e da renovação do amor à pátria para nos reerguermos. Este é o único caminho para o desenvolvimento pessoal e coletivo de nosso país. Não se deixem levar pelos convites e projetos levianos e irresponsáveis, pois o que precisamos é revitalizar alguns antigos conceitos, que valorizam o relacionamento fraterno entre as pessoas e rejeitam a violência e a criminalidade. A prática de esportes e uma vida saudável devem ser objetivos permanentes de todos, e um engajamento na luta para superar as desigualdades e, sobretudo, entender que é através do trabalho que nos realizamos.  



Tags:
Veja também:









Publicidade

  • f782967c3aaf9debcc3e55baaade247c.jpg