Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Saiba o motivo dos altos valores nas faturas da Celesc

O gerente da Celesc em Pomerode, Djair França, fala que o consumo de energia elétrica bateu recordes na cidade. Esse avanço é confirmado, inclusive, pelos elevados índices na demanda de energia registrados pela Celesc nas últimas semanas

c3695bc995cea6f3680fa139dabc209c.jpg Foto: Equipe JP

Nos últimos dias, a Celesc tem recebido muitas manifestações da população a respeito do aumento e vem mais uma vez informar que o aumento na conta de luz se deve, basicamente, ao maior consumo de energia registrado no período de leitura do consumo em cada unidade consumidora.

Esse avanço é confirmado, inclusive, pelos elevados índices na demanda de energia registrados pela Celesc nas últimas semanas. Desde dezembro, o recorde foi batido três vezes, em três dias seguidos – 15 de janeiro (4.875MW), 16 de janeiro (4.989,82 MW) e 17 de janeiro (5.030MW). O último recorde havia sido registrado em 12 de dezembro passado: 4.826MW.

A empresa reitera que a tarifa de energia elétrica não é reajustada desde agosto de 2018, data do reajuste anual das tarifas da Celesc Distribuição, e orienta que os clientes confiram atentamente o histórico de consumo e o período de apuração da leitura na fatura recebida.

O ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é um tributo estadual e varia conforme a classe de consumo:

Baixa Renda – isento

Residencial – até 150kWh de consumo a alíquota é de 12%. 

Para o volume consumido acima dessa faixa, a alíquota passa para 25%.

Rural – até 500kWh de consumo, a alíquota é de 12%. 

Para o volume consumido acima dessa faixa, a alíquota passa para 25%.

Demais classes (industrial, serviços, iluminação pública, comercial e outros): alíquota única de 25%.

O PIS e Cofins, repassados ao Governo Federal, contribuem para a manutenção do sistema de seguridade social (Cofins) e para financiar o pagamento do seguro desemprego e do abono salarial (PIS) para quem recebe remuneração mensal de até dois salários mínimos. Eles variam mensalmente conforme a composição das receitas e despesas da concessionária, que estão diretamente associadas à sua atividade fim, que é a distribuição de energia elétrica. A metodologia de cálculo da alíquota é determinada por norma estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O gerente da Celesc em Pomerode, Djair França, fala que o consumo de energia elétrica bateu recordes na cidade.

“Só no mês de janeiro, em três dias, batemos recorde quanto ao consumo de energia elétrica. O forte calor favorece o maior uso da energia e não apenas o ar-condicionado é o ‘grande vilão’ da estação, afinal, outros aparelhos eletrônicos como geladeira, televisões, bombas de piscina e outros, podem causar um aumento no valor final de sua conta”, explica.

De acordo França, pessoas que tiverem dúvidas com o assunto, podem procurar o escritório da Celesc na cidade, na Rua Luiz Abry, 965, Centro ou através do telefone 3387-0809. O gerente da Celesc também recomenda os canais de comunicação da empresa nas redes sociais ou no site celesc.com.br



Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg