Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Para Pomerode, uma vencedora

Com a segunda colocação no quadro Festival Infantil de Cinema, Jayne Priscila encerra um ano brilhante em sua carreira. Por apenas 4% de diferença para a primeira colocada e vencedora do quadro Festival Infantil de Cinema, Júlia Marmo, Jayne ficou com a vice-colocação

f58780e35c7b5728fb93a9a583238c82.png Foto: Divulgação

Não foi desta vez, mas nem por isso o brilho da cantora pomerodense Jayne Priscila diminuiu. Por apenas 4% de diferença para a primeira colocada e vencedora do quadro Festival Infantil de Cinema, Júlia Marmo, Jayne ficou com a vice-colocação, cuja decisão foi transmitida no sábado, 16 de dezembro, às 14h15min.

Na grande final, ela apresentou a música “Mamma Mia”, tema do filme que leva o mesmo nome e conquistou 48% dos votos do público. A disputa contra a amiga, Júlia, foi acirrada, já que a campeã conquistou 52% dos votos, apresentando a música “You Could Be Mine”, do filme O Exterminador do Futuro

“Mesmo que eu não tenha ganhado, saí muito satisfeita, porque não imaginava que chegaria tão longe e fiquei muito feliz por ter chegado e disputado a final, ficando entre os melhores. Foi tudo muito maravilhoso”, afirma a cantora. 

Ela conta que todas as vezes que foi ao programa foram muito especiais, mas destaca como marcantes as apresentações em que esteve como Tinker Bell, a com o tema do filme Titanic, pelo desafio de cantar em inglês, bem como, na final, cantando “Mamma Mia”. 

“Foi uma oportunidade incrível, pois acabei conhecendo outras músicas e estilos. No dia da final, não estava muito nervosa. Sabia que entraria no palco e daria o meu melhor, que foi o que eu fiz”, comenta Jayne. 

A cantora também relata, sorrindo, que uma das melhores partes foi poder conhecer vários artistas, em especial, o cantor Lucas Lucco, de quem é fã, e o próprio Raul Gil, que via somente pela televisão e que a encantou pela simpatia com todas as crianças. 

E, somada à rotina de viagens e ensaios, estava a vida escolar de Jayne, mas ela garante que nunca se descuidou dos estudos. “Sempre me dediquei muito à escola, fazendo as tarefas e estudando em casa. Durante o programa, precisei faltar muito, mas professores e colegas me ajudaram a recuperar o conteúdo e as provas, pois sabiam que eu faltava por um bom motivo e sentiam orgulho de mim, tanto que hoje sou reconhecida por outros alunos e, também, por pessoas de fora. É muito legal isso também”, revela. 

Agora, a família só pensa em descansar, porque, de acordo com o pai e professor de Jayne, Gilmar Lock, a rotina durante o período em que o quadro aconteceu foi cansativa. “Toda a preparação sempre foi muito exaustiva, principalmente agora no final, porque uma etapa foi muito próxima a outra, dificultando a escolha da música e ensaio da mesma, assim como a preparação da apresentação em si. Fora isso, 2017 foi um ano cheio também, mas muito bom para a Jayne”, ressalta.

Porém, para o ano que vem, novos planos já habitam o imaginário de Jayne, como uma possível participação no programa The Voice Kids e, até mesmo, uma volta ao Programa Raul Gil, desta vez apenas para cantar, sem a pressão da competição. Mas isso, de acordo com a menina, são planos futuros.

 



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: Divulgação Divulgação
Tags:
Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg