Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Para compreender as particularidades do ser humano

Na semana em que se comemora o Dia do Psicólogo, 27 de agosto, conheça um pouco mais sobre a profissão que ainda é considerada um tabu para muitas pessoas

791e60ce8c193a388b1978f8bab71a03.jpg Foto: Arquivo JP

Estudar o comportamento e as funções mentais. Este é o principal objetivo da psicologia, a ciência focada em entender aspectos do comportamento humano. O surgimento das primeiras questões relacionadas à psicologia datam de, aproximadamente, 200 a.C., na Grécia, quando filósofos discutiam tais questões. E foi no período pós iluminismo, a partir da Revolução Científica, nos séculos XVIII e XIX, que surgiram condições para o surgimento de uma ciência psicológica.

No Brasil, a psicologia teve a sua entrada a partir do século XX, com a formação nos cursos de pedagogia e com a chamada “psicologia industrial”. Mas a profissão só foi regulamentada em 1962, através da Lei Federal nº 4.119.

Escolher e atuar nesta profissão nem sempre é tarefa fácil, exige dedicação e plena certeza do que se deseja, como fez a psicóloga Cinthia Volkmann Theis, de 38 anos, cujos 12 foram dedicados ao estudo da mente humana. De acordo com Cinthia, sempre foi seu desejo seguir por esta área profissional. “A área da saúde sempre me encantou, tinha certeza que iria trabalhar em alguma área da saúde e me identifiquei com a psicologia. A psique humana sempre me interessou, a formação das ideias e pensamentos, e como coordená-los e equilibrá-los em mim e, posteriormente, no outro”, relata. 

Para ela, a profissão tem um papel fundamental na sociedade, devido à efervescência emocional pela qual ela passa. “Principalmente nos dias de hoje, com toda essa efervescência emocional da sociedade em que vivemos, a Saúde Mental deveria vir em primeiro lugar. Muitas de nossas doenças físicas, iniciam em nossa mente e a medicina tem, a cada dia, se aprofundado mais no estudo das doenças psicossomáticas. Uma doença psicossomática é aquela que não é exclusivamente somática, corporal, mas tem origem na psique, na alma. A psique inclui tudo o que não conseguimos localizar no corpo de uma maneira específica: nossas emoções, sentimentos, pensamentos”, afirma Cinthia. 

A psicóloga explica que, por exemplo, a pessoa pode ir até o médico, relatando dores de cabeça e, depois de muitos exames e testes, ele chega à conclusão de que não há nada errado no seu corpo. O médico pode, então, dizer que a dor de cabeça é uma doença psicossomática. “Hoje, essas doenças psicossomáticas podem evoluir para uma obesidade, um diabetes, um infarto, um AVC, e até cânceres. Não estamos mais fechados só para as doenças psíquicas, normalmente citadas como depressões e ansiedades. A Saúde Mental é, hoje, item essencial na sociedade”, garante a profissional.

E justamente para auxiliar o ser humano a promover mudanças que melhorem a sua saúde como um todo, que Cinthia se dedica diariamente. “É gratificante tornar-se potencializador de mudanças e auxiliar no encontro do sentido da vida das pessoas. O maior desafio da psicologia é torná-la uma coisa comum, onde todos possam acessá-la e se beneficiar dela”, pondera.

Hoje, a psicóloga é, também, especialista em Saúde Mental Coletiva e em Saúde da Família, ampliando seu leque de atuações, ajudando a melhorar relações interpessoais na sociedade. 

Cinthia finaliza destacando a importância do psicólogo saber como conversar com o seu paciente, de modo a melhor entende-lo, citando o psiquiatra e psicoterapeuta suíço, Carl Jung, com uma frase de sua autoria. “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”, coloca Cinthia.

 



Veja também:









Publicidade

  • 
    eb224b55631b8f403d168a912e1f6fb6.jpg4b580c53dad677f2141dea5ad908465d.jpg