Jornal de Pomerode

Edição Impressa



O prazer do recomeço

Todo reinício é cercado de muita expectativa e de grande emoção. Pois foram exatamente esses sentimentos que o piloto Rafael Ramthun viveu, no fim de semana, quando disputou a primeira etapa do Campeonato Catarinense de Velocidade na Terra.

fadebf55b78f776973a0c0ba63dd271e.jpeg Foto: -Carro 47 voltou à ativa, depois de quase um ano paradoDivulgação

Todo reinício é cercado de muita expectativa e de grande emoção. Pois foram exatamente esses sentimentos que o piloto Rafael Ramthun viveu, no fim de semana, quando disputou a primeira etapa do Campeonato Catarinense de Velocidade na Terra, disputado no Autódromo Lourenço Schreiner, em São Bento do Sul. A competição teve a presença de, aproximadamente, 70 carros, e foi, também, seletiva ao Campeonato Brasileiro da modalidade.

Após quase um ano longe das pistas, o pomerodense teve o prazer de guiar o seu VW / Gol 47, em uma das pistas mais tradicionais de Santa Catarina. E, apesar dos percalços, a volta teve um sabor especial. “Eu avalio a etapa como positiva, apesar de, no sábado, ter enfrentado alguns problemas de adaptação. Entretanto, como eu já havia falado, é preciso ‘quebrar o gelo’, ao iniciarmos essa nova fase. Tivemos, até, que desenvolver algumas coisas novas no carro, pois ele ficou parado durante um ano. Então, tenho a convicção de que a minha ‘reestreia’ foi muito positiva”, diz.

No sábado, Ramthun não conseguiu andar muito com o carro, tanto que somente fez a tomada de tempo, para largar na 16ª colocação. “Só que na corrida eu já evoluí bastante, e terminei na oitava posição”, ressalta.

Já no domingo, as coisas começaram a trilhar um caminho melhor. “O carro estava show de bola e eu melhorei o meu tempo no grid, largando em décimo, com um tempo muito parecido com o do oitavo lugar”, comenta. Só que um acidente acabou frustrando todos os planos da Equipe 47. “Eu fiquei triste com a batida, pois ela foi fruto da minha ansiedade. Na volta anterior, logo após a largada, um dos meus adversários me acertou na parte lateral e me fez rodar. Com isso, eu caí para último. E como eu sabia que tínhamos potencial para fazer uma boa corrida, durante a relargada, na ânsia de querer recuperar as posições, acabei acelerando demais, o que causou a batida. Ela foi razoavelmente fraca, mas danificou a parte dianteira do carro, inclusive, parte do motor. Por isso, não consegui completar a bateria”.

Mesmo com as adversidades enfrentadas, Ramthun acredita na evolução do carro e da equipe, já na próxima etapa. “Umas das dificuldades foi, exatamente, acertar o carro, para que ele estivesse em condições de eu acelerar 100%. Durante a etapa, conseguimos acertar a questão de alinhamento e pneu, mas transmitir para o mecânico os acertos do carro foi um pouco difícil, no primeiro momento. Tenho certeza de que, para a próxima corrida, as coisas serão mais fáceis”, pondera o piloto. 

Ramthun se refere à etapa de Joaçaba, a ser realizada nos dias 06 e 07 de abril, no Autódromo Cavalo de Aço.

“Foi muito bacana voltar a acelerar. Sei que muita gente torceu por mim e as manifestações foram positivas, principalmente, nas redes sociais. Isso nos fortalece a continuar trabalhando para participar de todas as seis etapas do campeonato”, finaliza.



Galeria de fotos: 1 fotos
Créditos: Divulgação
Tags:
Veja também:









Publicidade

  • 
    eb224b55631b8f403d168a912e1f6fb6.jpg4b580c53dad677f2141dea5ad908465d.jpg