Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Novos horizontes através das mãos

Oficina de arteterapia no Caps oferece uma nova maneira de encontrar a felicidade. Ela é feita sempre às quintas-feiras, das 14h às 15h30min, com a coordenação da terapeuta ocupacional Stela Michalak e do artista plástico e gerente de cultura, Alceu Custódio

149aa6e4644c1c59592e91dc0f676f1d.JPG Foto: Divulgação

O Centro de Atenção Psicossocial de Pomerode (Caps) está oferecendo aos seus pacientes uma nova terapia, visando auxiliá-los a enfrentar seus problemas através da aplicação da criatividade. Trata-se da arteterapia, que é uma parceria entre a Secretaria de Saúde e a Secretaria de Turismo e Cultura.

A oficina é realizada no Caps e é chamada de Grupo Mãos que Criam. Ela é feita sempre às quintas-feiras, das 14h às 15h30min, com a coordenação da terapeuta ocupacional Stela Michalak e do artista plástico e gerente de cultura, Alceu Custódio.

Os objetivos da arteterapia são vários, dentre eles, possibilitar a ampliação dos seus problemas e necessidades, através das produções artísticas, permitindo a construção de recursos internos saudáveis para o enfretamento do mesmo e, deste modo, procurar soluções; promover um ambiente saudável, onde a pessoa possa sentir-se segura durante o processo; garantir flexibilidade no processo, considerando que cada pessoa deve ter seu tempo operacional, dentro do seu enquadre; propor um espaço de criação e de facilitação da comunicação verbal e não-verbal; proporcionar a comunicação de ideias e emoções; tornar a pessoa mais criativa, mais independente durante as vivências na Arteterapia, além de oferecer as atividades de formas mais espontâneas e flexíveis; facilitar o diálogo das produções como forma de reduzir a ansiedade e buscar maneiras equilibradas de viver; valorizar as suas experiências e oferecer suporte para compartilhar os sentimentos e as emoções durante as vivências, além de trabalhar com a socialização; estimular a criação com o intuito de que a pessoa atribua novos significados à sua vida.

Para participar da oficina de arteterapia, não é necessário ter experiência ou qualquer habilidade artística. O tratamento não faz nenhum julgamento ou avaliação estética do trabalho que será realizado. “Na verdade, o objetivo principal é permitir que o indivíduo em tratamento consiga efetuar mudanças benéficas em sua vida pessoal, através da utilização de materiais de arte, em um ambiente seguro e facilitador. A ideia principal é usar a arte para resolver questões emocionais e expressar sentimentos reprimidos”, ressalta a coordenadora e psicóloga do Caps, Michelle Vitório Marchetto.

A terapia da arte é benéfica com relação à possibilidade de desenvolver habilidades interpessoais, comunicando o paciente com outras pessoas de seu ambiente de forma mais fácil, devido à facilidade de expressão que propões. Além disso, é muito útil para manejar o comportamento, aumentar a autoestima e evitar os efeitos que a ansiedade produz.

“Na atividade artística, o sujeito encontra uma possibilidade concreta de expressar não só aquilo que ele é, mas também, o que ainda pode vir a ser, construindo na arte outros modos de objetivação e subjetivação e, a partir daí, reconstruindo-se na vida, a partir de um novo olhar sobre si mesmo e sobre o mundo”, afirma o gerente de cultura e artista plástico, Alceu Custódio.

O Grupo Mãos que Criam, cujo foco são os trabalhos manuais, permite a expressão de sentimentos, emoções e vivências, possibilita a percepção de comportamentos, fornece dados da história do sujeito, exercita funções cognitivas, auxilia a percepção de limitações e a experimentação de novas e mais saudáveis atitudes diante da vida, amplia as perspectivas da reabilitação e promove maior engajamento do paciente frente ao processo de reabilitação psicossocial, estimulando o controle de sintomas como, por exemplo, a ansiedade.

 



Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg