Jornal de Pomerode


Nas origens da Reforma

Visitar locais históricos, que foram palco de grandes marcos para a história da humanidade é o sonho de muitas famílias ao redor do mundo. E, um casal pomerodense conseguiu se programar e realizar este sonho.

b8e59dc9bf9db8766a52e8b97b60f184.jpg Foto: Divulgação-Marcolf e a esposa, em frente ao castelo onde Lutero traduziu a Bíblia.

Visitar locais históricos, que foram palco de grandes marcos para a história da humanidade é o sonho de muitas famílias ao redor do mundo. E, um casal pomerodense conseguiu se programar e realizar este sonho. 

Marcolf Rahn, de 37 anos, e Cátia Dallmann Rahn, de 38, aproveitaram as férias para viajar rumo à Alemanha e tiveram a oportunidade de visitar o castelo onde Martin Lutero traduziu a Bíblia do latim para o alemão, dando início a um processo que, posteriormente, seria conhecido como Reforma Luterana, que completa 500 anos no dia 31 de outubro. 

O casal conta que o objetivo principal da viagem foi visitar a família de um amigo, Peterson Quadros, que mora na cidade de Schlitz, região central da Alemanha.

Eles também aproveitaram para visitar uma prima, Daniela, que ajudou a montar a programação de lugares a serem visitados durante a estadia na Alemanha. Marcolf e Cátia comentam que contaram, também, com a ajuda de outra amiga, Tasiane Engels, que os ajudou a se localizarem em Munique, onde participaram da Oktoberfest. 

“Nosso amigo, Peterson, foi quem nos levou ao castelo onde Lutero traduziu a Bíblia. Foi muito emocionante conhecer o singelo quarto onde Lutero passou os dias escrevendo. Anexo ao quarto, havia, ainda, uma biblioteca particular enorme, e poder ver os objetos e materiais que foram usados por ele é uma sensação inexplicável. Foi de encher os olhos de lágrimas”, relembra Rahn. 

Ele afirma, também, que os dois puderam observar e concluir porque a cidade de Pomerode tem a aparência de várias casinhas de bonecas juntas, conhecida pelas construções enxaimel e seus lindos jardins. “Especialmente na cidade de Schlitz, olhando para as ruas, casas e jardins, entendemos o porquê de Pomerode ser como é: limpa, organizada e florida. O jardim do Residencial de Würzburg, com flores de diversos tipos no mesmo canteiro, é outro exemplo da cultura alemã presente em Pomerode”, contam. 

Outro aspecto que chamou a atenção do casal foi a sustentabilidade pregada e executada pelos alemães. Segundo eles, foi possível perceber diversos bons exemplos de como melhorar as suas atitudes. “Podemos citar as sacolas plásticas, que, praticamente, não são utilizadas. Os produtos alimentícios, em geral, são acondicionados em embalagens de vidro. E, ficamos muito admirados com a limpeza da Oktoberfest, em Munique, pois a cerveja era servida exclusivamente em copos de vidro, portanto, não se via lixo no chão e nem copos quebrados”, enumera Rahn. 

Além disso, eles relatam que todas as ruas lá que são pavimentadas com paralelepípedo, ficam nos centros históricos, nas quais poucos carros transitam. Todas as demais vias, inclusive as de zona rural, são asfaltadas. “Com certeza voltaremos algum dia, mas levando nossos filhos conosco. Como foi nossa primeira viagem ao exterior, optamos por ir somente eu e minha esposa, mas se houver uma próxima, com certeza, eles irão junto”, finaliza.



Tags:
Veja também:
Galeria de fotos: 2 fotos









Publicidade

  • 50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg