Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Lembranças apagadas

Furtos em cemitérios de Pomerode acendem alerta na cidade. O último caso aconteceu no Cemitério Municipal, onde muitas lápides foram danificadas pelos ladrões

95724384a94b4db15bf699f756252316.jpg Foto: Raphael Carrasco/JP

Um lugar reservado para homenagear uma pessoa já falecida. Seja familiar, amigo, conhecido ou alguma pessoa admirada, o cemitério é um local onde muitos se despedem de alguém que acaba de deixar a vida. Em alguns casos, fotos, frases no epitáfio, data de nascimento e falecimento, ficam registradas nas lápides. Mas, algumas dessas lembranças que estampam os túmulos, estão sendo furtadas por ladrões, trazendo a indignação aos familiares.

Desde o começo do ano, Pomerode vem registrando casos deste tipo de crime nos cemitérios da cidade, fatos que estão chamando a atenção dos moradores do município. No mês de abril, o cemitério Testo Alto 1 foi alvo de furtos. Na época, segundo o tesoureiro do local, quase 20 de lápides haviam sido danificadas em função dos artefatos levados pelos ladrões. 

Desta vez, neste mês de julho, o Cemitério Municipal de Pomerode, no Centro, que também já havia sido alvo dos bandidos neste ano, registrou mais um caso de furto. Na oportunidade, a lápide do avô de Ragyve Sanson sofreu com o ato, sendo extraviadas da lápide as datas de nascimento e falecimento e a frase que estava gravada no local.

Sanson ficou sabendo do furto quando sua mãe mandou, via WhatsApp, imagens da lápide sem as letras. O neto do falecido se demonstra indignado com a situação.

“É uma mistura de raiva e tristeza. É lamentável uma coisa dessas, roubar algo que foi feito em memória de uma pessoa que foi sempre um exemplo para mim e família. Me sinto completamente indignado e revoltado com o fato, afinal, uma homenagem ser apagada desse jeito é doloroso”, desabafa o neto.

Sanson esteve no cemitério pela primeira vez após o furto, no dia da nossa entrevista. Circulando pelo local, nossa equipe percebeu mais lápides que sofreram danos, em função da retirada dos artefatos que ficam junto ao túmulo. Vendo a situação toda de perto, ele desabafou, mais uma vez.

“Eu costumo dizer que a educação vem de casa. Sinto uma pena, pois, provavelmente, o pai ou a mãe dessa pessoa, não está sabendo que vem acontecendo isso. Nem as pessoas que estão aqui, que contribuíram para o desenvolvimento do município, podem ter o seu descanso em paz. Eu espero, também, que isso não aconteça com algum ente querido desse indivíduo, para que ele não venha sofrer a mesma indignação e o mesmo sentimento que estamos sentindo.”

Os principais alvos dos ladrões são as lápides, que possuem gravações com datas e frases de epitáfio, pois são feitas de cobre, latão, bronze e outros materiais de valor, que, após levadas pelos indivíduos, são vendidas. No mesmo dia da entrevista com Sanson, nossa equipe encontrou Ethel Hardt, que trabalha em uma marmoraria de Pomerode. Ela estava visitando o local para ver alternativas de materiais que são menos atrativos aos ladrões. Segundo ela, muitas pessoas estão procurando a marmoraria para consertar os danos causados pelos furtos. Ethel explica que o maior alvo dos bandidos são as placas de bronze, que, geralmente, são imagens da Bíblia ou frases de epitáfio.

“Os cemitérios não só de Pomerode, como de toda região, têm sido afetados, principalmente, com os furtos das placas em bronze. Acredito que seja porque é mais rápido removê-las, se comparado com as letras cursivas em bronze ou cromadas e, também, deve dar maior retorno aos criminosos. Acredito que seja vendido como sucata”, explica.

Ethel também ressalta aos clientes, antes de fazer qualquer orçamento, a possiblidade de furto caso seja colocado algo feito de material que tenha valor comercial.
“Infelizmente, hoje temos a obrigação de alertar os clientes no momento da escolha dos acessórios das sepulturas, para que evitem o bronze. Existem outras opções que não interessam aos ladrões, principalmente as placas em granito com gravação a laser ou gravação comum e placas em porcelana”, ressalta Ethel.

Como proceder caso seja percebido um furto 

Se você visitou o cemitério e deparou-se com algum tipo de dano na lápide, seja por vandalismo ou por furto, deve acionar a Polícia Militar ou ir até a Delegacia, realizar o Boletim de Ocorrência (B.O.) na Polícia Civil. O Tenente do Pelotão da PM de Pomerode, Fábio Verdasca de Luca, recomenda que, em caso de furto, a pessoa realize o B.O.

“A pessoa pode tanto acionar a Polícia Militar, quando a viatura vai até o local e registra o Boletim de Ocorrência, ou ela pode se dirigir até a Delegacia da Polícia de Civil. Se, por ventura, nossas viaturas estiverem todas em atendimento, recomendo ir direto à Delegacia para fazer o procedimento. Venho ressaltar a importância de se fazer o B.O., para ficarmos sabendo do que aconteceu e, muitas vezes, temos o conhecimento do caso pela imprensa e grupos de redes sociais, o que acaba prejudicando um pouco nosso trabalho, pois acabamos não tendo tempo para verificar com mais profundidade a situação”, afirma.

Na Delegacia de Polícia Civil de Pomerode, foram registrados oito casos de furto a cemitérios na cidade, desde fevereiro de 2018. Porém, o número pode ser maior e alcançar cerca de 20 registros, já que existe a possibilidade de as pessoas fazerem o Boletim de Ocorrência de maneira online, sendo que estes dados, portanto, não ficam registrados no banco da Delegacia.

Medidas para evitar os casos 

Esses crimes estão acendendo um alerta na cidade de Pomerode. O vereador Aldino Oldenburg, que já havia proposto um projeto que visa melhorias na segurança nos cemitérios de Pomerode, também esteve no local, juntamente com nossa equipe, para conferir de perto a real situação do lugar. Surpreso com os vários túmulos danificados, Oldenburg defende a implementação de um portão, câmeras de segurança e um horário de funcionamento definido.

“A comunidade está pedindo mais segurança nos cemitérios da cidade. Creio que câmeras de segurança possam ajudar a evitar esses crimes ou ajudar nas investigações da polícia após um furto. Defendo a implementação de um portão na entrada do local, para dificultar a passagem de pessoas mal intencionadas. Além disso, é importante haver um horário de funcionamento do lugar, pois, na minha opinião, na parte da noite, quase ninguém vem ao cemitério para fazer uma visita ao ente querido. Portanto, são medidas que podem ajudar a evitar esse crime que está deixando as pessoas indignadas, por atrapalhar o ‘descanso’ de quem já faleceu”, comenta o vereador.

Dados Municipais 

Nossa equipe de reportagem entrou em contato com a Secretaria de Planejamento da Prefeitura de Municipal de Pomerode, para obter os dados exatos do número de furtos registrados em cemitérios da cidade, porém, não obtivemos retorno até o fechamento desta edição.

 



Galeria de fotos: 1 fotos
Créditos: Raphael Carrasco/JP
Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg