Quarta-Feira, 18 de Setembro de 2019

facebook_icon

Hoje: Máx 26Cº / Min 16°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Grupo Malwee esclarece encerramento das atividades em Pomerode

A transferência de produção à matriz, em Jaraguá do Sul, faz parte do plano de investimentos para o triênio 2019-2021.

db2eec7573006e4667406da73dc9106b.jpg Foto: Jornal de Pomerode

Após o anúncio do encerramento das atividades na segunda unidade do Grupo Malwee, localizada em Pomerode, efetuado na manhã desta quarta-feira, 22 de maio, o Jornal de Pomerode entrou em contato com a assessoria de imprensa da empresa têxtil, que divulgou nota oficial.

Segundo o documento, não haverá nenhuma demissão e os 364 funcionários, máquinas e equipamentos serão unificados à matriz, localizada em Jaraguá do Sul. Agora, cabe ao funcionário optar pela transferência, ou não.

Nota para a imprensa

O Grupo Malwee anunciou, nesta quarta-feira (22), um plano de investimentos para o triênio 2019-2021. Os recursos serão destinados para projetos nas áreas de sustentabilidade, modernização do parque fabril dentro do conceito de indústria 4.0 e iniciativas nas frentes de tecnologia da informação, varejo e inovação. O objetivo é tornar a companhia ainda mais eficiente, competitiva e sustentável.   

Dentro do plano, uma das iniciativas da companhia é transferir a produção da Unidade Pomerode (SC) para a Unidade Matriz, em Jaraguá do Sul (SC). A unificação deve trazer ganhos de agilidade, eficiência operacional, sinergia e facilidade nas tomadas de decisão. 

O comunicado oficial aos 364 funcionários aconteceu nesta quarta-feira, dia 22. O processo de unificação das plantas começa em junho, com a integração do quadro de funcionários, máquinas e equipamentos. Não haverá demissões.

Sindicato negocia acordo

Visando a proteção dos direitos dos funcionários que atuavam na unidade de Pomerode, o Sindicato do Vestuário de Pomerode (Sintivepo) negociou com representantes da empresa alguns pontos para que os colaboradores não fossem prejudicados pela decisão.

Segundo documento divulgado pelo órgão, a empresa baseou todas as suas decisões e a elaboração de seu acordo no Art. 469 da CLT. Nesse acordo, os trabalhadores abrem mão do saque de 20% do seu saldo do FGTS; de metade da multa rescisória, ou seja, ao invés de 40% passam a receber somente 20%; abrem mão, também, de metade do Aviso Prévio; e ainda perdem o direito ao seguro desemprego.

Esse acordo mútuo era o que Malwee pretendia oferecer aos funcionários que não quisessem se transferir para sua matriz em Jaraguá do Sul.

Segundo o presidente da entidade, Wolfgang Schumann, foram realizadas duas reuniões para tratar sobre a situação dos trabalhadores que atuavam na unidade de Pomerode, uma na segunda-feira, dia 20 e outra no dia seguinte. Um novo acordo foi decidido junto a uma equipe da matriz de Jaraguá do Sul.

“Na primeira reunião, recebemos dois documentos, um anunciando o fechamento da unidade de Pomerode e o segundo trazendo uma proposta de acordo mútuo com os trabalhadores. A proposta era transferir todos os funcionários para a matriz e, para quem não quisesse aderir à transferência, havia a proposta da Malwee de entrar em um mútuo acordo sobre o desligamento”, explica Schumann.

Por entender que alguns dos colaboradores poderiam sair prejudicados, mesmo com a empresa cumprindo o que é previsto pelas regras da CLT, o Sintivepo convocou uma nova reunião, na qual foi fechado um novo acordo com o Grupo Malwee.

Neste acordo, ficou estabelecido que os trabalhadores que optassem pela demissão poderiam ter acesso a 100% do FGTS, caso não tivesse sacado anteriormente, com a multa de 40%, destinado novamente à empresa. Além disso, o colaborador terá acesso ao Seguro Desemprego integral, mais as férias e 13º salário proporcionais.

Já para os trabalhadores que aceitaram ser transferidos para Jaraguá do Sul, haverá a garantia de emprego e salário por 30 dias após ser transferido para a matriz; Se estiver recebendo auxílio creche, continuará recebendo; terá transporte garantido para ir para Jaraguá do Sul; e será abrangido pelas garantias e direitos da convenção do município vizinho.

“Uma conquista também foi que as pessoas não vão para Jaraguá, poderão vir para o Sindicato entre os dias 24 de maio a 23 de julho para buscar uma carta de demissão e partir do momento em que esta carta for protocolada no RH, o colaborados não precisaria mais ir trabalhar. A partir deste momento a empresa tem 10 dias para oficializar a demissão. Este acordo foi um ganho muito grande para o Sindicato e para o trabalhador, principalmente. Conseguimos um avanço nesta negociação. Se o trabalhador aceitasse só o mútuo acordo, ele sairia perdendo muito mais”, destaca o presidente do Sintivepo.

Confira o acordo completo estabelecido entre o Sintivepo e o Grupo Malwee.

A unidade pomerodense

A segunda unidade Malwee está localizada em Pomerode, cidade que preserva inúmeras casas de arquitetura germânica em estilo enxaimel, sendo referência histórica e turística de Santa Catarina por abrigar um dos mais importantes acervos da imigração alemã do Brasil. Fundada em 15 de agosto de 1975, iniciou setores de costura e dobração. Com o crescimento da empresa, em 1978 uma importante expansão garantiu a implementação de outros setores, com parque fabril de 12 mil m². Dentre os diversos benefícios, ginástica laboral, equipamentos e mobiliários modernos e ergonômicos, ambulatório médico, restaurante e associação recreativa.



Veja também: