Jornal de Pomerode


Duelo de capitães

A vida é feita de momentos inesquecíveis. No esporte, por exemplo, existem confrontos que ficam marcados para sempre na nossa memória. E, com certeza, o próximo domingo, dia 11 de junho, será um desses dias que serão propagados por diversas gerações.

A vida é feita de momentos inesquecíveis. No esporte, por exemplo, existem confrontos que ficam marcados para sempre na nossa memória. E, com certeza, o próximo domingo, dia 11 de junho, será um desses dias que serão propagados por diversas gerações. A partir das 14h45min, Vera Cruz e Floresta entrarão em campo para a disputa derradeira da Copa Pomerode de Futebol Adulto Masculino, no Estádio Hermann Koch, em Testo Central.

Após a vitória no confronto de ida, por 2 a 1, o Verdão do Centro necessita de um empate no tempo normal para levar o bicampeonato da competição. Já o cruzmaltino, se quiser conquistar o título que já não vem há cinco anos, precisa vencer no tempo normal por qualquer placar, para levar o jogo à prorrogação. Aí, o empate dá o título ao time da casa. O Jornal de Pomerode transmitirá a decisão pelo Facebook, a partir das 14h15min.

Assim como na partida de ida, o trio de arbitragem é de fora da cidade. Jefferson Schmidt será o responsável por comandar o espetáculo, ao lado de Jonatas Diego Casas e de Tiago de Souza.  Alcino Klabunde será o quarto árbitro, Martinho dos Santos, o quinto árbitro, e Arlindo Utpadel, o Delegado da partida.

 

EXPECTATIVA - Vivenciar um momento especial como esse é privilégio de poucos, ainda mais para os capitães das duas equipes finalistas. Neste quesito, experiência é o que não falta. Pelo lado cruzmaltino, o goleiro Eder Ramos Ribeiro, de 36 anos, conta que representar o Vera Cruz, em uma decisão, é um momento especial dentro do trabalho realizado pela diretoria. “E, para mim, se torna ainda mais especial, por ser o capitão de uma equipe que possui grandes jogadores”, ressalta.

Há dois anos no Vera, e com passagens por diversos clubes, entre eles, Juventus (Jaraguá do Sul), Sporting Braga (Portugal), Prudentópolis (PR), Colatina (ES), além de Vitória (Jaraguá do Sul), Unidos (Indaial), Corinthians (Joinville), Sete de Setembro (Araquari), Água Verde e Atlético Pomerodense, no amador, o arqueiro destaca a importância desta final, sempre pregando o respeito ao time adversário. “Sabemos que o Floresta é uma grande equipe, mas o grupo foi montado para disputar este título, então, chegou a hora, independentemente de quem esteja do outro lado. Para esta final, vamos manter a mesma postura de sempre, jogando para vencer, ainda mais em nossa casa”, afirma Ribeiro.

Já pelo lado do Floresta, há cinco anos, um nome é praticamente incontestável no miolo da zaga. Trata-se de Josias Maranhão Fonseca, ou simplesmente Maranhão, de 39 anos, que já atuou por Marcílio Dias, Brusque, Joinville, Criciúma, Metropolitano, Caxias (RS), Ferroviária, XV de Jaú e XV de Piracicaba (todos de São Paulo), além de Caramuru, Botafogo e Atlético Pomerodense, no amador. “É maravilhoso poder participar deste momento decisivo, afinal, qualquer atleta tem como principal objetivo chegar a uma final, ainda mais como líder de uma grande equipe como o Floresta”, enfatiza.

Para buscar o bicampeonato, segundo o capitão florestino, o time precisa encarar este jogo decisivo com muita seriedade e humildade, pois são duas grandes agremiações, que merecem respeito. “Por isso, nossa forma de jogar vai ser a mesma, sempre em busca de gols e de vitória, assim como foi na primeira partida”.

 

A IMPORTÂNCIA DO CLÁSSICO - Qualquer coisa que possa ser escrita no que diz respeito ao clássico Vera Cruz e Floresta, em suas linhas vai constar muita história e, principalmente, rivalidade. Por se tratar de duas equipes tradicionais na região do Vale do Itajaí, esse jogo sempre foi encarado de maneira diferente por todos que já o vivenciaram. No caso dos personagens desta decisão, a tônica não é diferente. “O Vera Cruz vai marcar, para sempre, minha trajetória, no futebol como um todo, devido às amizades e o respeito conquistados junto à diretoria e torcedores”, enfatiza o goleiro Eder, que define o clássico como “único”.

Já o zagueiro Maranhão resume esse sentimento pelo Floresta em quatro palavras, que  possuem um importância muito significativa dentro do âmbito futebolístico. “Humildade, companheirismo e espírito de equipe”. E para ele, o que define Floresta e Vera Cruz é a rivalidade.

Este duelo de capitães será definido neste domingo e os dois protagonistas, juntamente com as outras estrelas destes elencos, vão escrever mais um capítulo que ficará, para sempre, na memória e nos corações dos torcedores pomerodenses.



Tags:
Veja também:
Galeria de fotos: 2 fotos









Mais vistos

Publicidade

  • b24e1f3813003e2cb3b72b7c37281d09.jpg