Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Discussão sobre a desigualdade de gênero

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2015, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Santa Catarina tem 281,3 mil famílias formadas por mulheres com filhos e sem cônjuge - o que representa 11,2% das famílias catarinenses.

c0f9775b1f21ccd692c156556799dc4a.jpg Foto: Divulgação

Mesmo com conquistas sociais importantes e com as mulheres ocupando posição de destaque em diferentes áreas de atuação, os números ainda são desfavoráveis às mulheres na sociedade brasileira: salários menores do que o dos homens, mais responsabilidades com a criação dos filhos, mais horas cuidando de afazeres domésticos e, muitas vezes, sozinhas. Vamos falar sobre isso? É o que propõe a campanha digital do Governo do Estado ao trazer para o debate a desigualdade de gênero. 

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2015, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Santa Catarina tem 281,3 mil famílias formadas por mulheres com filhos e sem cônjuge - o que representa 11,2% das famílias catarinenses. São o tipo mais comum de família monoparental. 

O Censo de 2010 apontou que 46,3 mil mulheres tinham filho e não tinham cônjuge em Santa Catarina. Semelhante também é a realidade no restante do país. Uma amostra está na Seleção Brasileira que está na Copa do Mundo da Rússia: seis dos 11 jogadores titulares foram criados pelas mães, conforme reportagem do Portal El País.
“Hoje as mulheres são chefes de família. Trabalham fora e dentro de casa. Mas ainda há muita resistência em reconhecer esse fato na nossa sociedade: os salários são menores, embora em muitos casos elas sustentem os filhos sozinhas”, explica a coordenadora estadual da Mulher, Suelen Dadam.

No Brasil, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o salário das mulheres é, em média, 23,5% menor que o dos homens. A informação está no estudo “Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil”.

Fonte: Governo do Estado de Santa Catarina

 

 



Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg