Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Descaso? Até quando?

Moradores da Rua Massaranduba pedem por mais atenção à rua, que precisa de melhorias. Enquanto nossa equipe esteve no local, mais moradores apresentaram a sua indignação.

68e3476ceceb647ecc7d75331cfd9c8a.jpg Foto: Isadora Brehmer/JP

Depois da chuva forte que atingiu Pomerode na tarde de quarta-feira, 06 de março, os moradores da Rua Massaranduba, cansados do descaso com a situação da via, manifestaram a sua indignação nas redes sociais, publicando vídeos e fotos de como estava a rua durante a após a chuva.

Um destes moradores é Eder Paini, que mora na altura do número 1100 da rua  e relata que, na quarta-feira, quase não era possível os moradores chegarem às suas casas. “A água vinha descendo com muita força, trazendo galhos e pedras. Era um perigo. E quando a chuva passou, no dia seguinte, ainda tinha várias pedras e galhos pela via, que os próprios moradores tiraram. O grande problema é que sempre quando chove mais forte, acontece isso”, relata.

Ele conta, também que não faz muito tempo que a Prefeitura fez o patrolamento e a macadamização da via, até o final. Porém, logo choveu de novo e hoje, é como se nada tivesse sido feito.

“Um dos grandes problemas é a falta de bocas de lobo que possam escoar a água que desce do morro. Na parte mais alta da rua passa o rio e, em dias de chuva mais forte, ele transborda, porque a vazão é pequena, pelos tubos que não comportam a pressão e porque já há muita areia em seu leito, que veio da rua”, reclama Paini.
Enquanto nossa equipe esteve no local, mais moradores apresentaram a sua indignação, pelo descaso constante com a localidade, incluindo as transversais como a Rua Aurora e a Rua Inrat Danker, que, por serem subidas, ficam ainda mais danificadas quando chove.

“Depois de chuvas muito fortes são várias pedras que ficam soltas na via, de todos os tamanhos, e além de prejudicar os carros, é um risco para quem transita de moto ou bicicleta, pois é muito fácil cair. E caso isso aconteça, a chance de se machucar seriamente é maior. Por exemplo, uma moradora caiu de moto recentemente e se machucou bastante. Estamos preocupados que aconteça novamente, principalmente, com as crianças”, declara.

Uma das soluções sugeridas pelos moradores, além da pavimentação da rua como um todo, até o seu fim, é a colocação de bocas de lobo próximas ao rio e antes das descidas da rua, para evitar que a água corra tanto morro abaixo e prejudique tanto a via. Outra sugestão são ações que aumentem a área para vazão do rio, para que ele não transborde tão facilmente. “Esperamos que o Poder Público comece a dar mais atenção à nossa rua, pois aguardamos isso há muito tempo”, conclui.

Parecer do poder público

De acordo com a secretaria de Obras, a situação da Rua Massaranduba ficou desta forma, na quarta-feira, devido ao grande volume de chuva e que é considerada uma situação atípica. “A tubulação que temos na Rua Massaranduba é correta e está preparada para suprir a drenagem da água. Porém, quando a chuva é muito intensa, como foi na quarta-feira, estas situações podem ocorrer”, disse o secretário de Obras, Wilhelm Zilz. Porém, a condição da Rua Massaranduba deve melhorar, pois já começaram as obras de pavimentação, agora no trecho inicial da rua. 

“Com a pavimentação, a tubulação no local será trocada, além de melhorar a condição da via. Até o fim do mês de março, o primeiro trecho da pavimentação deve ser concluído e a rua, em sua totalidade, até o fim do ano, deve estar pronta”, afirma Zilz.

A chuva registrada na tarde de quarta-feira foi tão forte, em Pomerode, que acabou provocando a subida rápida do nível do Rio do Testo, principalmente nas regiões mais altas e, em Testo Alto, fez com que duas pontes de madeira fossem levadas pela água. Estas, de acordo com Zilz, tinham a previsão de serem consertadas até o fim da quinta-feira, após o fechamento desta edição.



Galeria de fotos: 1 fotos
Créditos: Isadora Brehmer/JP
Veja também:









Publicidade

  • 
    eb224b55631b8f403d168a912e1f6fb6.jpg4b580c53dad677f2141dea5ad908465d.jpg