Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Casos de dengue na região

Os casos foram contraídos fora da cidade, no Rio de Janeiro e em São Paulo, respectivamente

079297b3bae338aa3afa6afa5bcef085.jpg Foto: Arquivo JP

Nesta semana, dois casos de dengue foram confirmados em Blumenau, ambos contraídos fora da cidade e de Santa Catarina.

O primeiro deles foi registrado na Itoupava Seca, na segunda-feira, dia 11 de fevereiro, em uma mulher de 38 anos. Ela procurou o hospital com sintomas de gripe, e, por meio de exames, foi confirmado que ela contraiu a doença e, partir de uma investigação da Vigilância Sanitária, a dengue teria sido contraída em uma viagem ao Rio de Janeiro, no mês passado.

O outro caso é de um morador do bairro Itoupava Central, confirmado nesta quarta-feira, dia 13. A suspeita é de que o homem, de 41 anos, tenha contraído a doença quando esteve no interior de São Paulo.

Ambos os portadores dos casos confirmados já foram medicados e passam bem. A Vigilância Epidemiológica de Blumenau fez vistorias no entorno das residências, mas não foram encontrados focos em um raio de 300 metros dos locais.

Apesar de não existir nenhum grande risco na cidade, a Secretaria de Promoção da Saúde de Blumenau ressalta que a atenção dos moradores ao seu entorno ainda é fundamental, visando evitar que novos focos do mosquito surjam. Hoje, a Vigilância Epidemiológica do município está inspecionando 26 focos na cidade.

Na cidade 

Pomerode, por sua vez, não registra nenhum foco de dengue há mais de dois anos. 

A equipe de agentes epidemiológicos de Pomerode do Programa de Controle da Dengue está diariamente percorrendo o município inspecionando as 131 armadilhas e os 34 pontos estratégicos para ver e detectar a presença do mosquito transmissor e, caso positivo, seguir os protocolos do Ministério da Saúde efetuando bloqueio para evitar sua proliferação. Para melhorar esse monitoramento, durante o mês de janeiro, foram adquiridas duas motocicletas modelo Honda Bros 160. 

Nos últimos anos não houve nenhum foco do mosquito em nossa cidade, mas, a população deve continuar em alerta pois em municípios vizinhos existem focos. O responsável pelo Programa de Controle da Dengue, Jeancarlo Hille, afirma que ainda não há a circulação do vírus em Pomerode, mas que continuam com a atenção redobrada, devido aos casos em cidades vizinhas. “Estamos controlando bem a situação na cidade, para que não haja focos do mosquito transmissor, principalment,  porque já há registros de casos em municípios vizinhos. É importante que a população também se previna, evitando ter em casa quaisquer objetos que possam acumular água, para não termos criadouros, além de cuidar da sua saúde quando visita algum município em que há casos confirmados”, afirma o agente da Vigilância Sanitária. Ele também ressalta que as equipes de saúde estão preparadas para manter Pomerode livre da dengue.

Em 2018, o estado de Santa Catarina teve um aumento de 28,4% no número de focos. São 76 cidades consideradas como infestadas. 

O Aedes aegypti é um mosquito com hábitos urbanos e necessita de água parada e limpa para depositar seus ovos. Em especial, sucatas, lixo, pneus e cisternas descobertas são os locais onde acumula água e o mosquito se prolifera. Por isso é necessário evitar o acumulo destes objetos em locais que possam deixar água parada. 

No verão o problema com a proliferação pode ser maior, pois a velocidade de reprodução aumenta e o calor traz pancadas de chuvas praticamente todos os dias, aumentando o acumulo de água.

Contribua 

A atuação da população quanto a prevenção, também, é importante. Pequenas atitudes podem ser tomadas para que se diminuam os riscos de ser contamido, como: 

- Evitar o acúmulo de água parada; 

- Coloque tela nas janelas; 

- Coloque areia nos vasos de plantas; 

- Seja consciente com seu lixo; 

- Coloque desinfetante nos ralos; 

- Limpe as calhas, piscinas e aquários;

- Uso de inseticidas e larvicidas. 



Veja também:









Publicidade

  • 
    eb224b55631b8f403d168a912e1f6fb6.jpg4b580c53dad677f2141dea5ad908465d.jpg