Jornal de Pomerode

Edição Impressa



Atenção às doenças respiratórias no inverno

Os primeiros sintomas da pneumonia, normalmente, são parecidos com os de uma gripe comum, porém, vão se agravando com o tempo

66bb485b62fd007357cab646409aa880.jpg Foto: Divulgação

Durante o inverno, é comum algumas doenças respiratórias serem propagadas com mais facilidade, pelo fato de muitas pessoas ficarem aglomeradas em ambientes muito fechados. Crianças, principalmente, tendem a sofrer mais com tais doenças e uma das mais comuns é a pneumonia, uma infecção do trato respiratório inferior.

A pneumonia pode ser causada por vírus ou por bactérias, como o pneumococo, o bacilo da tuberculose, o estafilococo, o haemophilus influenzae, além da clamidia e mycoplasma.

Esta infecção é, geralmente, precedida de uma infecção do tipo viral das vias aéreas superiores, parecida com bronquiolite o com a bronquite aguda. Os primeiros sintomas da pneumonia, normalmente são parecidos com os de uma gripe comum, porém vão se agravando com o tempo, e a criança começa a apresentar quadro clínico com febre, tosse, dificuldade respiratória, e pode ter dores abdominais ou rigidez na nuca em casos mais graves.

Na pneumonia, a tosse também, é mais intensa, mais produtiva. A dificuldade respiratória é acompanhada de aceleração da respiração, com retração entre as costelas.

A pediatra Jane Carla Hasse alerta para a alta incidência desta doença em crianças, podem desenvolvê-la várias vezes na vida. “A maioria das crianças têm de quatro a seis infecções respiratórias agudas por ano. Os fatores que podem aumentar a incidência dessas infecções são quando a criança frequenta a creche ou tem alguma alergia respiratória associada”, ressalta a pediatra, acrescentando que crianças que não foram amamentadas ao seio, desnutridas e de baixa idade também são mais suscetíveis.

O tratamento da pneumonia é feito com antibióticos específicos para cada faixa etária , e para cada bactéria causadora da pneumonia. É importante fazer o RX, além de exames complementares de sangue, que são indicativos da gravidade da doença. A imunização é de extrema importância em pediatria, tanto na rede pública, quanto privada.

É importante ressaltar que a doença exige tratamento e atenção imediatos, ao primeiro sinal destes sintomas, já que é uma doença que, se não tratada, pode levar a óbito. De acordo com pesquisas, 80% das mortes por insuficiência respiratória aguda são provocadas por pneumonia.

Para evitar as mortes, a prevenção ainda é o melhor caminho, por exemplo através da vacinação. “A vacinação do calendário básico de imunização, assim como em clínicas particulares, é de fundamental importância na prevenção dessas doenças, como a pneumonia adquirida na comunidade”, destaca Jane.

Outro ponto importante é evitar a automedicação antes da consulta a um especialista, para que o quadro clínico não se agrave devido a um tratamento equivocado.

E, ainda, para evitar a difusão de doenças respiratórias, é importante abrir janelas ou portas, para que haja circulação de ar no ambiente, já que bactérias e vírus podem ser transmitidos através do ar.

Formação

A pediatra Jane Carla Hasse é graduada em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com Residência Médica em Pediatria no Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, pós graduada em adolescência e saúde mental pela Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e pós graduada em dependência química pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente é Diretora Técnica da clínica Maria Martha, em Gaspar, e fez curso de Pediatric Advanced Life Support (pela PALS), que dá o direito de trabalhar com Neonatologia em unidades de terapia intensiva pediátrica. 



Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg