Jornal de Pomerode


A satisfação do dever cumprido com excelência, depois de 31 anos

Após 31 anos se entregando à educação das pequenas crianças de Pomerode, Betina Ehlert compartilha alguns dos segredos para trilhar um caminho de sucesso

94ecb06cfbdadebdcd91d4f024f92f8d.jpg Foto: Jornal de Pomerode

Abandonar alguma coisa que esteve presente em sua vida por mais de 30 anos não é tarefa fácil, ainda mais quando era algo presente diariamente e a atividade a qual se dedicava quase que integralmente. Em abril, uma das grandes personagens da educação infantil no município, decidiu “pendurar as chuteiras”.
Depois de 31 anos dedicados à educação, a ex-diretora e ex-professora Betina Ehlert, de 52 anos, tomou a decisão de se aposentar e encerrar a carreira de sucesso na área, cheia de conquistas e alegrias, deixando um exemplo inspirador de entrega à profissão que escolheu seguir. 
Tudo começou no Colégio Doutor, o qual frequentou desde pequena, no antigo Jardim de Infância Belém. Betina acredita que o gosto pela educação, principalmente a infantil, veio em grande parte pela influência da tia, que trabalhava no local, na época. Além disso, ela destaca que passou toda a idade escolar estudando no colégio e, por isso, logo conseguiu começar a trabalhar lá, no início, na secretaria. 
“Todos me conheciam como aluna já e, por isso, me convidaram para trabalhar com eles. No Doutor, eu permaneci trabalhando por cerca de seis anos, e foi onde tive também a minha primeira experiência em sala de aula, com 20 anos, por estar cursando pedagogia na faculdade”, relata Betina. 
Depois da primeira experiência com educação no Colégio Doutor, a ex-professora trabalhou por cerca de cinco anos em Florianópolis. Na capital do estado, ela teve mais contato com as turmas do Ensino Fundamental e conta que duas experiências vividas lá, marcaram a sua vida. “Floripa tem uma cultura um pouco diferente da nossa e lá tive a oportunidade de conhecer a celebração do Boi de Mamão, algo que eu gostei muito. Além disso, também consegui estar presente na formatura de 8ª série, na época, algo que eu também não havia vivido, até então, como professora”. 
Quando voltou a Pomerode, Betina começou a trabalhar com a área mais específica da educação que escolheu seguir pelo resto da carreira: a educação infantil, na qual permaneceu por quase 20 anos, dos quais, 15 dedicados ao CEI Rosa Borck e quatro ao CEI Dorotéa Hoeft Borchadt. “Os trabalhos nos CEI’S foram os que sempre me encantaram, sempre gostei muito de lidar com a educação infantil e o que sempre busquei foi trazer inovações e novidades para as crianças, além de oferecer uma educação de qualidade”, explica. 
E ela sempre buscava se empenhar ao máximo para fazer o melhor aonde quer que trabalhasse, buscando tornar o local uma referência na cidade. “Algo que destaco como objetivo meu foi sempre a busca por tornar o CEI uma referência, criar qualidade e credibilidade, e isso foi algo que eu queria, pelo qual eu trabalhei e pude alcançar. Inclusive, sempre estimulei a participação em feiras de matemática e, em algumas oportunidades, as representantes dos CEI’s que eu dirigi foram destaques no cenário nacional. Mas o que mais motiva é o reconhecimento e a satisfação dos pais com o trabalho que está sendo feito, isso é o que sempre me deu ‘gás’”.

 

“Os trabalhos nos CEI’S foram os que sempre me encantaram, sempre gostei muito de lidar com a educação infantil e o que sempre busquei foi trazer inovações e novidades para as crianças, além de oferecer uma educação de qualidade”


Um dos pontos que mais foram gratificantes em sua vida, de acordo com Betina, foram as relações que estabeleceu com a comunidade dos locais onde lecionou ou dirigiu, destacando que a cada nova experiência, conseguia adquirir mais habilidade para lidar com novas situações ou desafios que, por ventura, surgissem, e afirma que sempre buscou manter a melhor relação possível com todos. 
Apesar de considerar desafiador trabalhar na educação, ela se diz apaixonada por educar e lidar com as crianças, comparando o CEI com uma casa, na qual muitas das crianças permanecem o dia inteiro junto com os professores. Então, sempre se preocupou em tornar as coisas as melhores possíveis para os pequenos. 
“Para quem está iniciando a jornada no mercado de trabalho agora, o meu conselho é escolher algo que sinta que gosta de fazer. O principal é ter a paixão na hora de trabalhar, junto da dedicação e da alegria. Também acho que é necessário traçar objetivos, fazer projetos e manter o foco neles, para conquistar o que deseja. As pessoas que não se sentem bem no que fazem, não se sentem felizes enquanto trabalham, não estão na profissão certa, porque sem amor, não é possível. E amor sempre tive de sobra ao longo destes meus 31 anos na educação”. 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • 50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg