Jornal de Pomerode

Edição Impressa



150 anos passados para o papel

Família Siewert lança livro em comemoração aos 150 anos de imigração no Brasil com histórias contadas por um membro da quinta geração da família.

4c81ab322e8296530f8ae71f5710d503.jpg Foto: Arquivo Pessoal

Tradições que passam de geração para geração, sem perder toda sua originalidade e essência. Tudo isso faz parte do dia a dia da Família Siewert, desde de 1868, quando os primeiros familiares chegaram da antiga Pomerânia, que hoje fica entre a Alemanha e Polônia.

Desde então, a família que ainda reside no bairro Testo Alto, está em sua sétima geração. Os costumes ainda são preservados dentro da famosa Casa Siewert, construída no ano de 1913 por Albert Siewert, que faz parte da Rota Enxaimel de Pomerode e também foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2005.

O modo de viver na casa, que já ultrapassou o centenário, e a história de 150 anos da imigração da família para o Brasil, motivaram Rogério Siewert, membro da quinta geração, a passar para o papel as narrativas do processo de vinda de seus familiares ao país, assim como histórias de outras famílias residentes de Testo Alto.

Com 146 páginas, o livro foi lançado na manhã de domingo, dia 03 de junho, justamente no dia da chegada da família ao Brasil, no porto de São Francisco do Sul, em 1868. E, para celebrar o lançamento do exemplar, os Siewert promoveram um almoço para os convidados, que se misturavam entre autoridades, amigos e familiares. Além dos contos resgatados pelo autor, a obra contém imagens antigas, ilustrações, entrevistas, a árvore genealógica dos Siewert e os nomes dos membros de toda a família. 

Além disso, o livro conta com relatos de como está a região da Pomerânia atualmente, com contribuição de Michel Gustmann, que fez uma viagem até a região em 2017, onde hoje, fica situada a Polônia. 

Rogério Siewert, idealizador e autor do livro, revela que se sente extremamente gratificando por poder manter todos os costumes de sua família e, agora, por poder registrar toda a história em um livro.

“É muito gratificante resgatar os nossos antepassados, registrados em um livro. Se eles não tivessem fugido da Pomerânia, provavelmente morreriam na Segunda Guerra Mundial e eles foram para uma terra prometida, que Deus pôde guiar. A gente sempre tenta ensinar os nossos filhos a manter a tradição e até hoje a gente procura preservar nossos costumes como a plantação de milho e o trabalho na roça” afirma Siewert.

Registrar a história em um livro, era o sonho de Rogério. Ainda segundo o autor, tudo só foi possível devido ao apoio de amigos, da empresa Netzsch, Fundação Cultural de Pomerode e é claro, sua esposa e família.

“Primeiramente, agradecer a Deus. Quero agradecer, também, ao Edson Klemann, ao Genemir Raduez, ao escritor Denis Warmling, ao Ronald Kreidel, ao Michel Gustmann, à Fundação Cultural e principalmente à minha esposa, que não me deixou desistir do meu sonho”. 

A presidente da Fundação Cultural da cidade Darli Bahr Bernardino, ressalta a importância do registro histórico de processos migratórios para Pomerode.
“Registrar, em um livro, a história da imigração alemã em Pomerode é muito importante, pois a obra não é só a história da família Siewert e sim registra todas as famílias que colonizaram o Sul do Brasil e depois dá uma ênfase aos Siewert. É a primeira vez que isso é feito em Pomerode e esse foi um dos motivos para a Fundação Cultural apoiar o lançamento do exemplar”, esclarece Darli.

De acordo com Ronald Kreidel, proprietário do Jeep Tour, que auxilia Rogério nas visitas de turistas à casa destaca a importância dos costumes e tradições passadas de geração à geração.

“A grande importância dessa tradição, é passar de tradição para tradição. Por isso defendo que é necessário, ter na educação infantil, o ensino patrimonial. Eles estão na sexta geração da família, sabem falar o alemão fluentemente, o que mantém os costumes. E graças ao Rogério e sua teimosia, hoje o local é tombado pelo Iphan e agora todo o resgate histórico da família está registrado em uma obra literária” destaca Kreidel.

A vice-prefeita e secretária do turismo Gladys Sievert, também estava presente no lançamento do livro, pois é prima de segundo grau de Rogério, e também foi citada na obra.

“Fico muito feliz por fazer parte, também da história de Pomerode. Com certeza, levar essa história de muita luta para chegar no Brasil, a adaptação no país e os registros fotográficos, também como as ilustrações, são de suma importância para quem ler o livro. Recomendo aos jovens a leitura da obra, afinal conta como era a realidade anos atrás, além de incentivar a manter as nossas tradições”, enumera.

A obra pode ser adquirida na própria Casa Siewert, localizada na rua Testo Alto, número 8233. O livro custa R$35,00 e logo será vendido em outros pontos de Pomerode. Outros exemplares poderão ser encontrados na Biblioteca Municipal da cidade.

O autor

Rogério Siewert tem 37 anos, é casado com Adriana Wollick e tem dois filhos, a Júlia e o Matheus. Diariamente, atua na lavoura, auxiliando seus pais nos afazeres da colônia, juntamente atendendo turistas em sua propriedade. Além disso, ele atua na área industrial de Pomerode. 

 



Galeria de fotos: 4 fotos
Créditos: Divulgação Isadora Brehmer/JP Arquivo Pessoal Divulgação
Veja também:









Publicidade

  • 
    50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg