Jornal de Pomerode


Na Ponta do lápis - 08/11

Reajustes na gasolina e no diesel

A Petrobras autorizou, na segunda-feira, alta de 2,3% para a gasolina e aumento de 1,9% para o diesel nas suas refinarias, desde terça-feira, dia 07, devido, principalmente, ao aumento das cotações dos produtos e do petróleo no mercado internacional, informou a empresa em nota à imprensa.
A decisão foi tomada pelo Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP), que antecipa suas reuniões periódicas quando o reajuste dos combustíveis varia mais de 7% para cima ou para baixo, no período aproximado de um mês.

Projeção de 3,08% para inflação

O mercado financeiro manteve a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) segue em 3,08%, de acordo com o boletim Focus, publicação divulgada no site do Banco Central (BC) todas as semanas, com projeções para os principais indicadores econômicos.
Para 2018, a estimativa para o IPCA é mantida em 4,02% há quatro semanas consecutivas. As projeções para 2017 e 2018 permanecem abaixo do centro da meta de 4,50%, que deve ser perseguida pelo BC. Essa meta tem, ainda, um intervalo de tolerância entre 3% e 6%.

Alta no preço do gás de cozinha

O gás de cozinha está mais caro. Os preços do produto para uso residencial em botijões de até 13 quilos aumentaram 4,5% nas refinarias. O reajuste começou a valer nesse domingo, 05 de novembro. De acordo com a Petrobras, o motivo principal do aumento é a alta das cotações do produto nos mercados internacionais, influenciada pela conjuntura externa e pela proximidade do inverno no hemisfério norte. Ainda segundo a estatal, a variação do câmbio também contribuiu para a necessidade do aumento. 

A Petrobras informou que, como a legislação brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, o valor do gás para o consumidor vai depender de cada distribuidora e revendedora.

Black Friday deve incrementar vendas de eletrônicos

A Black Friday deve render R$ 2,506 bilhões ao comércio eletrônico neste ano, segundo estimativa divulgada na segunda-feira, 06 de novembro, pela associação que representa o setor. O montante representaria um aumento de 18% na comparação ao valor gerado em 2016.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a expectativa é de que as lojas virtuais recebam 10 milhões de pedidos no período de promoções, com valor médio de R$ 246 cada um. Ainda de acordo com a associação, devem ser mais buscados os produtos das categorias de informática, celulares, eletrônicos, moda e decoração.



Publicado em 09/11/2017 - por Jornal de Pomerode

btn_google.png btn_twitter.png btn_facebook.png








Autor deste artigo

Publicidade

  • 50b2324f0aa1127b27ce46c6d6dd7ed4.jpg